oracao

Jó 22.27

Jó viveu o auge do sofrimento. Ele saiu de uma situação próspera e tranqüila, para um terrível sofrimento num único momento. Ele era admirado e possuía uma grande família, riquezas e gados, mas da noite para o dia, perdeu tudo. E ele não sofreu somente abalos na sua riqueza, mas também teve forte abalo emocional pela perda dos filhos. E como se não bastasse, também foi atingido na sua saúde. Ele foi tocado por uma chaga maligna.

No seu sofrimento, Jó é visitado por três amigos. Eles choraram por sete dias e sete noites, sem proferir qualquer palavra. Mas estes homens começam a falar, e cada um tem o seu discurso. E Elifaz é um destes. Ele traz a sua visão, ensino e conselho para Jó. Elifaz   teve uma leitura parcial do quadro de Jó. Ele buscou pecado em Jó, pois para ele, isto seria a causa de todo o seu sofrimento. Mas Elifaz também traz uma possível solução. E embora que Jó fosse a pessoa errada para escutar aquele conselho, o conteúdo é bom e correto.

Ele sugere arrependimento e conversão a Deus para Jó. Mas ele também sugere uma oração. Ele diz: “Orarás a ele, e ele te ouvirá; e pagarás os teus votos.”

Elifaz nos ensina uma grande verdade. Eu não preciso esperar alguém orar por mim, eu posso orar ao Senhor. Isto fala da pessoalidade da oração. A oração era parte da solução do sofrimento. Mas parece que enxergamos a oração como um rito litúrgico, ou desencargo de consciência. Poucos vêem a oração como um instrumento que pode mudar a nossa história. A oração é pessoal e não podemos transferi-la. Existem pessoas que estão encarando quadros graves e sérios e que precisam orar. Jesus deu importância à oração, e nós também precisamos dar.

Neste texto encontramos três fases da oração. Isto diz que oração é um processo, ela tem o antes, durante e depois. Às vezes, até sabemos da importância da oração, mas pecamos em alguma destas fases. Vejamos elas:

1º – Antes da oração, precisamos ter a certeza que estamos sendo ouvidos. Parece simples, mas muita gente falha nisto. Existem pessoas que buscam a certeza se estão sendo ouvidas, durante a oração e não antes. Acham que só quando há alguma sensação ou arrepios, é que Deus está ouvindo a oração. Mas não é o que sinto, e sim o que creio, que faz com que a nossa oração seja ouvida. 

- Durante a oração, preciso ter a convicção de que falo diretamente com Deus. A oração não tem intermediários. Somente Jesus é o nosso mediador. Existem pessoas que estão se acostumando a pedir que outros orem por ela. Nós temos acesso direto ao Pai. Não podemos ter reservas ou vergonha. Podemos falar diretamente, do nosso jeito, sem protocolos. Não preciso esperar uma campanha de oração para que Deus faça um milagre em minha vida.

3º – Depois da oração, precisamos cumprir o que prometemos. Tem muita gente que descarta esta fase. Pessoas que se comprometem com coisas, mas não cumprem. Pessoas que embutem um propósito na oração, para dar um peso maior, e que quando são ouvidas, e são abençoadas, não cumprem os seus votos. Deus não apenas considera a oração, mas Ele também considera o voto. Deus espera que cumpramos os nossos votos. Deus vê a nossa aflição antes da oração, contempla a angústia durante, mas precisa ver também a nossa fidelidade depois da oração. 

Jodson Gomes – Assembléia de Deus em Bonsucesso (RJ)

About these ads