You are currently browsing the tag archive for the ‘amor’ tag.

pobre-maos

A determinação de ministrar em amor qualquer um que entre no nosso mundo cotidiano produz um resultado inesperado. Por todo o Novo Testamento encontramos um princípio de ganhar por meio da perda, de vida através da morte. Jonathan Edwards disse: “Ao buscar a glória de Deus e o bem dos seus semelhantes, você adota a forma mais certa de Deus buscar os seus interesses e promover o bem-estar”. A alma que se preocupa com os outros não pode perder. Coloque as outras pessoas como prioridade e você acrescentará vários centímetros à sua estatura espiritual. Aprenda a sentir o aperto no coração alheio e sentirá seu próprio coração bater mais forte. Deixe seus interesses e preocupações pessoais de lado e descubra coisas maravilhosas que Deus tem preparadas para você. O fundador da World Vision (Visão Mundial), Bob Pierce, acredItava que Deus o tinha chamado para ir a lugares remotos do mundo e ele literalmente abandonou tudo, ao ver os necessitados ao seu redor. Bob teria feito o mesmo se Deus o tivesse chamado para ser pastor de uma igreja em uma metrópole ou cidadezinha do interior. De alguma forma, esse homem percebia as mais profundas necessidades das pessoas e fazia algo a respeito. A oração de sua vida, escrita no final de sua Bíblia surrada, é a oração de todo aquele que deseja liberar um pouco de amor neste mundo: “Que meu coração seja dilacerado pelas coisas que parte o coração de Deus”. Que assim seja!

Fonte: Livro Lado a Lado – Steve Rabey & Lois Rabey

o-deus-todo-poderoso

Pois o SENHOR vosso Deus é o Deus dos deuses, e o Senhor dos senhores, o Deus grande, poderoso e terrível, que não faz acepção de pessoas, nem aceita recompensas. (Deuteronômio 10.17)

 

Um Deus maior que Ele;

 

Um problema que Ele não possa resolver;

 

Um amor maior que o dEle;

 

Um justo fiel, sem resposta de Oração;

 

Uma vida que Ele não possa transformar.

Namorado-duvida

Muitas pessoas carregam no coração uma grande dúvida com relação à vida sentimental. Ou seja, como saber se esta ou aquela pessoa é a que Deus separou para mim? Como saber se este namoro é de Deus? Venho fornecer algumas dicas a este respeito. São dicas baseadas em experiências e orientações contidas na Palavra de Deus.

1ª dica – Os Frutos – Como disse Jesus, uma boa árvore se conhece pelos frutos “Portanto, pelos seus frutos o conhecereis” (Mateus 7:20). Assim, veja se o rapaz ou a moça é um servo de Deus, analise o seu comportamento, a sua vida com o Senhor. Cuidado, pois existem muitos lobos vestidos de ovelhas.  Certa vez eu namorei um rapaz e chegamos a ficar noivos. No começo ele me acompanhava no trabalho da igreja. Depois que ficamos noivos, disse que precisávamos dar um tempo da igreja e começou a querer me impedir de exercer meu ministério. Ou seja, começou a apresentar maus frutos. Eu então decidi terminar o namoro embora gostasse muito dele. Melhor fazer a vontade de Deus do que fazer a vontade dos homens, não é mesmo? Assim, ao namorar alguém precisamos verificar com atenção os seus frutos.  É preciso tomar cuidado quanto a isto, pois muitas vezes, por estarmos envolvidos sentimentalmente, não prestamos a atenção neste aspecto. Criamos uma certa ilusão e nos esquecemos de analisar os frutos da pessoa. Por este motivo, analise friamente os frutos da pessoa que está se envolvendo. Veja a sua vida na igreja e especialmente em casa, se é um bom filho ou boa filha, analise também o seu comportamento profissional, etc.  É muito fácil ser cristão na igreja, os verdadeiros frutos são revelados no dia a dia, nos bastidores.

2ª Dica – A paz – A Palavra de Deus diz que a “paz” deve ser o árbitro em nossos corações “Seja paz de Cristo o árbitro em vosso coração” (Col. 3:15). O árbitro é aquele que resolve uma questão, que direciona. Ou seja, a paz deve ser o indicativo se o relacionamento é ou não da vontade de Deus. Assim, se o namoro é algo que rouba paz, que leva a pessoa a ficar  distante de Deus, que traz inquietação, perturbação, cuidado pois há algo de errado. Lutas e obstáculos sempre existirão, enfim, lutas externas e até desentendimentos esporádicos causados por diferenças de opiniões. Todavia, se o relacionamento rouba a sua paz interior, especialmente a sua comunhão com Deus é um grande indício que de o Senhor não está nesse relacionamento.

3ª dica – É paixão ou amor? - Um outro aspecto relevante é questão da diferença entre amor e paixão. Às vezes nos envolvemos numa paixão e nos machucamos achando que é amor. Paixão é algo avassalador, que nos leva a perder a razão, a lógica e até o temor de Deus. O amor, ao contrário, já é um sentimento maduro, consciente, nasce aos poucos, se desenvolve com o tempo e vai se fortalecendo diante das dificuldades. A paixão á algo passageiro, não resiste à distância, esfria, não espera. O amor, ao contrário, permanece “o amor tudo sofre, tudo crê, tudo espera e tudo suporta” (I Cor. 13:07). O amor sabe esperar o momento certo para o sexo (o casamento). A paixão não, pois é pura emoção. Para exemplificar esta questão, cito, como exemplo, o sentimento de Amnon por Tamar (II Samuel 13) e o sentimento de Jacó por Raquel (Gênesis 29).  Amnon se apaixonou por Tamar, sua irmã.  Após ter tido relações sexuais com ela, a deixou friamente.  Quantos jovens abandonam moças grávidas após satisfazer os seus desejos sexuais?! Jacó, por sua vez, amou a Raquel e o seu amor o fez esperar 7 anos até finalmente tê-la em seus braços. Além disso, trabalhou mais 7 anos para poder estar ao lado de sua amada definitivamente.

4ª dica – Enriquecimento – A Palavra de Deus afirma que a benção do Senhor enriquece e não acrescenta dores (Prov. 10:22).  O namoro que é da vontade de Deus traz um enriquecimento mútuo. Ou seja, traz um enriquecimento na área espiritual, profissional, familiar, etc. Deus que ama e cuida de nós certamente colocará alguém em nosso caminho que nos abençoe, que tenha algo de bom a acrescentar em nossa vida, que nos ajude a dar continuidade aos nossos sonhos.  Lamento muito quando vejo jovens se envolvendo sentimentalmente com pessoas que nada têm a acrescentar em suas vidas. Ao contrário, são pessoas que surgem para roubar a paz, o futuro e para trazer dor e destruição. O namoro, em caso como estes, se torna um verdadeiro sofrimento.

5ª dica – Convicção – Jesus certa vez disse que a palavra do cristão tem de ser sim, sim ou não, não e que tudo o que passar disso é de procedência do maligno (Mateus 5:37). Neste caso, o namoro aprovado por Deus é algo certo, definido e não indeciso.  Quando o relacionamento é envolto por inseguranças e incertezas, algo está errado e precisa ser revisto, pois a dúvida não procede de Deus.  Por isso, ao relacionar-se sentimentalmente com alguém é preciso pedir ao Senhor a confirmação sobre o namoro.  Se não houver certeza, ore bastante e busque a direção de Deus e se preciso for, abra mão do relacionamento antes que alguém se machuque.  Jamais se relacione com alguém sem que haja essa confirmação, essa convicção sobre os seus sentimentos. Entenda que um casamento é para toda vida. Afinal de contas, você está namorando pensando no futuro, fazendo planos para formar uma família. Se a sua visão é apenas ficar, passar o tempo, reavalie profundamente os seus conceitos, pois este não é o plano de Deus para o namoro.  

Aos solteiros, aconselho a que não se atemorizem com o tempo, pois vale a pena esperar em Deus. E como descrito em Eclesiastes 3, existe um tempo determinado para todo propósito debaixo do céu. Assim, o melhor a fazer é buscar a Deus, crescer espiritualmente e profissionalmente. Enfim, adquirir maturidade em todos os aspectos para que quando chegar o tempo de construir uma família, você possa ter uma estabilidade espiritual, emocional e material.

Prª. Ioná Loureiro. Formada em Letras, autora de diversas reflexões bíblicas em sites evangélicos. Pertence a Igreja Apostólica Renascer em Cristo (Penha) – RJ

coração na mão

        Muitas jovens costumam me procurar para tirar suas dúvidas sobre a vida sentimental. Muitas delas dizem que está difícil, nos dias de hoje, conquistar um grande amor, ou seja, atrair a atenção do Isaque tão sonhado. Qual seria então a grande dica para conquistar aquele grande amor?

       Eu costumo dizer que um grande e verdadeiro amor se conquista com uma grande e verdadeira amizade, pois na verdade, o homem de Deus, está a procura de uma mulher que seja, acima de qualquer qualidade, sua grande amiga, uma verdadeira auxiliadora. Por este motivo, a grande arte da conquista está justamente ligada a uma voz amiga, sempre disposta a ouvir, interceder, ajudar, acompanhar. Muitas jovens acham que partindo para a sensualidade conseguirão atrair o homem de suas vidas. Se esquecem, no entanto, que o homem aprecia a sensualidade da mulher mas o que de fato conquista o seu coração é a presença de uma mulher forte, fiel, empreendedora, inteligente, que esteja disposta a estar do seu lado em todos os momentos, acalmando-lhe o coração quando preciso, dando-lhe suporte, enfim, uma mulher que lhe faça bem, com um perfil repleto de força, ousadia e disposição, como a mulher virtuosa descrita em Provérbios 31 “Mulher virtuosa quem a achará? O seu valor muito excede ao de rubis… Ela só lhe faz bem, e não mal, todos os dias da sua vida… Examina uma propriedade e adquire-a; planta uma vinha com o fruto de suas mãos. Cinge os seus lombos de força, e fortalece os seus braços” (Prov. 31:10, 12, 16 e 17). É esta a mulher que um homem procura. Uma mulher que lhe faça bem, que seja uma grande benção em sua vida.

        Por fim, vale dizer que o segredo para conquistar um grande amor é temer ao Senhor, pois Ele retribui a cada um segundo as suas obras. Ou seja, a mulher que teme ao Senhor, no tempo certo de Deus, conquistará o grande amor de sua vida, pois o Senhor é fiel. Por isso, nada de exageros ou falsos apelos na hora da conquista. Vale mesmo é ser amiga e exercer as qualidades de uma mulher virtuosa e certamente, se conquistará o coração de um grande amor, debaixo da benção e da direção de Deus.

Pr. Ioná Loureiro – Formada em Letras, autora de diversas reflexões bíblicas em sites evangélicos. Pertence a Igreja Apostólica Renascer em Cristo (Penha) – RJ.

coracao_mao_flores

Por mais que você pense que não, Deus se preocupa com a sua vida sentimental. Na verdade, Ele se preocupa com a sua vida como um todo.

Mais uma vez, vou transcrever aqui a palavra que Deus enviou por meio da Elvira Tito (irmã do pastor e cantor Álvaro Tito) aos que estiveram presentes no retiro de carnaval 2009 da Igreja Missionária Evangélica Maranata. 

 

Texto base, João 4.3-19

4:3    Deixou a Judéia, e foi outra vez para a Galiléia.

4:4    E era-lhe necessário passar por Samaria.

4:5    Foi, pois, a uma cidade de Samaria, chamada Sicar, junto da herdade que Jacó tinha dado a seu filho José.

4:6    E estava ali a fonte de Jacó. Jesus, pois, cansado do caminho, assentou-se assim junto da fonte. Era isto quase à hora sexta.

4:7    Veio uma mulher de Samaria tirar água. Disse-lhe Jesus: Dá-me de beber.

4:8    Porque os seus discípulos tinham ido à cidade comprar comida.

4:9    Disse-lhe, pois, a mulher samaritana: Como, sendo tu judeu, me pedes de beber a mim, que sou mulher samaritana? (porque os judeus não se comunicam com os samaritanos).

4:10    Jesus respondeu, e disse-lhe: Se tu conheceras o dom de Deus, e quem é o que te diz: Dá-me de beber, tu lhe pedirias, e ele te daria água viva.

4:11    Disse-lhe a mulher: Senhor, tu não tens com que a tirar, e o poço é fundo; onde, pois, tens a água viva?

4:12    És tu maior do que o nosso pai Jacó, que nos deu o poço, bebendo ele próprio dele, e os seus filhos, e o seu gado?

4:13    Jesus respondeu, e disse-lhe: Qualquer que beber desta água tornará a ter sede;

4:14    Mas aquele que beber da água que eu lhe der nunca terá sede, porque a água que eu lhe der se fará nele uma fonte de água que salte para a vida eterna.

4:15    Disse-lhe a mulher: SENHOR, dá-me dessa água, para que não mais tenha sede, e não venha aqui tirá-la.

4:16    Disse-lhe Jesus: Vai, chama o teu marido, e vem cá.

4:17    A mulher respondeu, e disse: Não tenho marido. Disse-lhe Jesus: Disseste bem: Não tenho marido;

4:18    Porque tiveste cinco maridos, e o que agora tens não é teu marido; isto disseste com verdade.

4:19    Disse-lhe a mulher: Senhor, vejo que és profeta.

 

Existem pessoas que não consultam a vontade de Deus sobre certos relacionamentos, pois sabem que a resposta de Deus será um tremendo NÃOOO. Sabem que o relacionamento esta fora da vontade e do plano de Deus, porém insistem no erro.

 

Nós precisamos obedecer, confiar e acreditar que Deus tem o melhor para nós independente de qualquer coisa, principalmente do tempo. Porém muitos filhos de Deus entregando o seu coração ao primeiro (a) que passa pela frente. Deixam-se levar pelo papo daquele (a) que não é filho (a) de Deus e só quer brincar com o seu coração.

 

Segundo a própria Elvira Tito, ela viveu um relacionamento de 4 anos que não era da vontade de Deus, mesmo assim ela insistia no erro, mesmo Deus falando por meio da palavra, dos pais, amigos e etc, ela resolveu investir por contra própria e acabou sofrendo muito com as conseqüências dessa desobediência.

 

Deus sabe os desejos do nosso coração. Precisamos ter maior diálogo com Deus.

Assim como a mulher de Samaria, precisamos ser sinceros: “Senhor se não for de ti esse namoro, tem que acabar”. Ela fez essa oração e tomou atitude em relação a isso.   

Muitas pessoas saem de um relacionamento e entram logo em outro. Levam o lixo de um para o outro, assim como a samaritana.

Deus tem o melhor para você. Luz e trevas não podem andar juntas, ou você vive em total claridade com Cristo ou vive na escuridão do pecado e da desobediência.  

 

Elvira Tito – Assembléia de Deus de Campo Grande (RJ)

rosa-branca

“Tenho, porém, contra ti que deixaste o teu primeiro amor. Lembra-te, pois, donde caíste, e arrepende-te, e pratica as primeiras obras; e se não, brevemente virei a ti, e removerei do seu lugar o teu andeeiro” (Apocalipse 2:4, 5).

Um religioso declarou: “Nos primeiros cinco anos de meu ministério, eu mantive um quadro em minha escrivaninha que dizia: ‘Ganhe o Mundo para Cristo’. Nos cinco anos seguintes de meu ministério, eu troquei o quadro para: ‘Ganhe Um ou Dois para Cristo’. Depois dos primeiros dez anos, o quadro em minha escrivaninha, até hoje, diz: ‘Tente não perder Muitos.”

O que tem sido feito de nossa motivação na obra de Deus?
Para onde seguiu a alegria do primeiro amor?

Aquele ímpeto inicial, aquela determinação, a prioridade do “buscar em  primeiro lugar o reino de Deus”, por que não têm a mesma força de antes?

Quando Cristo toma o lugar principal em nosso coração, a nossa alma se enche de regozijo e não há nada mais agradável para nós do que estar diante dEle, louvar o Seu nome, ler a Sua Palavra, compartilhar a Sua salvação. E essa felicidade que deveria ser eterna, muitas vezes vai se esfriando, apagando, desaparecendo, até ser totalmente esquecida.
Quando nos damos conta, estamos novamente tristes, desanimados, angustiados, sem o brilho característico dos vitoriosos.

Diga agora mesmo: basta! Basta de enganos, de infortúnios, de mentiras, de vida sem sentido. Volte a hastear a bandeira da felicidade e da vida  abundante e verdadeira. Segure as mãos do Senhor e não as largue por motivo algum deste mundo.

Se você se mantiver firme ao lado de Cristo, seu candeeiro espiritual iluminará cada vez mais a Sua vida, a sua casa e os lugares por onde passar. Seu primeiro amor será um quadro que jamais será tirado da escrivaninha de seu coração.

Pr. Paulo Roberto Barbosa – I. B. em Vila Gerti – São Caetano do Sul (SP) 

estrelajose

O Natal é pedagógico. Nossos olhos precisam estar abertos e nossos ouvidos atentos ao que Deus quer nos ensinar através do nascimento, vida e morte de Jesus. Destacamos alguns pontos para nossa reflexão:

1. O nascimento de Jesus nos ensina uma lição de HUMILDADE – Jesus nos ensina através do Seu nascimento. Ele é o Rei que nasceu servo, o Deus que se fez homem, o transcendente que Se esvaziou de Sua glória. O dono do mundo não nasceu num berço de ouro, mas num coxo de palha. O Criador dos céus e da terra, o Deus encarnado, diferente dos nobres deste mundo, não nasceu debaixo das luzes da ribalta, dos flashes da popularidade; ao contrário, não havia lugar para ele em Belém. Ao nascer foi perseguido pelo rei Herodes. Precisou cruzar o inóspito e causticante deserto do Sinai e atravessar o deserto do Saara, e fugir para o Egito, para escapar da perseguição de um rei louco. Jesus cresceu como um carpinteiro na pobre vila de Nazaré. Começou o Seu ministério como um rabino itinerante, que não tinha onde reclinar a cabeça. Sendo rico Se fez pobre. Sendo servido pelos anjos no céu, cingiu-Se com um avental e lavou os pés dos discípulos, que infantilmente, disputavam entre si, um lugar de honra na feira das vaidades humanas.

2. A vida de Jesus nos ensina uma lição de AMOR ALTRUÍSTA – Jesus nos ensina não apenas através do Seu nascimento, mas também, através da Sua vida. Ele veio não para ser servido, mas para servir. Ele Se manifestou para levantar o caído, animar o fraco, salvar o perdido, curar o enfermo e restaurar o quebrado. Ele andou por toda parte fazendo o bem e libertando os oprimidos do diabo. A pregação, o ensino e a cura estavam sempre no topo de sua agenda. Sua doçura atraía as crianças. Sua compaixão enternecia os publicanos. Seu amor inefável abria a porta da esperança para os enjeitados da sociedade. Todos aqueles que se achegavam a Ele com o coração quebrantado, recebiam o perdão. Todos os aflitos que buscavam nEle alívio, saíam consolados. Jesus veio ao mundo para revelar-nos o coração amoroso do Pai. Ele é o caminho que nos leva de volta ao Pai. Ele é a porta que nos dá acesso ao trono da graça. Por meio dEle podemos entrar na sala do Trono e ter comunhão com o Deus de amor.

3. A morte de Jesus nos ensina uma lição de SACRIFÍCIO ABNEGADO – Jesus nos ensina através da Sua morte. Ele veio ao mundo para dar Sua vida em favor dos Seus escolhidos. Ele morreu pela Sua igreja. Ele deu a vida pelas Suas ovelhas. Sendo Deus não julgou como usurpação o ser igual a Deus, antes Se esvaziou e Se humilhou até à morte e morte de cruz. Jesus ofereceu Sua vida. Sua morte foi voluntária. Ninguém podia tirá-la dEle, ao contrário, espontaneamente Ele a deu. Ele caminhou para a cruz como um rei caminha para a coroação. Na cruz Ele nos comprou para Deus. Na cruz Ele pagou a nossa dívida. Sua morte foi substitutiva. Ele morreu a nossa morte. Ele sofreu o nosso castigo. Ele Se fez pecado e maldição por nós, para que fôssemos santos e benditos para sempre. O patíbulo da Sua dor e de Sua horrenda morte, tornou-se a fonte de onde jorrou para nós copiosa redenção. Num sentido a morte de Cristo é única e não podemos imitá-lo. Só Ele pôde morrer vicariamente. Noutro, sentido, porém, aprendemos com Jesus em Sua morte, que devemos também dar a nossa vida pelos irmãos (1 Jo 3:16).

Jesus nos ensina no tempo e na eternidade. Ele é o nosso modelo agora e sempre. Ele nos disse: “Aprendei de mim, porque sou manso e humilde de coração” (Mt 11:29). No Natal que se aproxima, precisamos pensar menos na festa e mais na Pessoa de Jesus. Precisamos devolver a Jesus o sentido do Natal. As luzes, os cânticos, as iguarias, os presentes e toda a nossa agitação são vazios de significado se Jesus não for o centro da nossa vida, da nossa família, da nossa igreja. Que neste Natal possamos honrar aquele que desceu do céu para nos levar ao céu, aprendendo com Seu nascimento, vida e morte.

Pr. Hernandes Dias Lopes – 1º Igreja Presbiteriana de Vitória (ES)

justica-martelo

Romanos 14:10-12 

 

Todos nós precisamos de motivos para nos manter fiéis a Deus.

O Apóstolo Paulo foi um dos maiores e mais fiel servo de Jesus e por traz dessa grande fé há três grandes motivações.

Essas três motivações deveriam ser o tripé de todo cristão.

 

1ª – Esperança

I Coríntios 15:19

“Se esperamos em Cristo só nesta vida, somos os mais miseráveis de todos os homens”.

Paulo servia a Deus pela esperança que tinha na vida eterna.

Temos esperança na vida eterna.

 

2ª – Amor

O amor de Cristo nos constrange. O amor a Deus nos atrai, ele é implacável, é infalível. É impossível fingir que Deus não nos ama e isso nos constrange.

Todos os cristãos possuem essas duas motivações. Existe a terceira motivação e essa não são todas as pessoas que possuem, estamos falando do temor.

 

3ª – Temor

Um temor produzido pela certeza de que um dia seremos julgados.

Somente as pessoas que tem os olhos no dia do Senhor é que possuem esse temor.

Paulo andava assim, ele sabia que um dia Jesus iria julgar todos os seres humanos. Ele sabia que um dia seria julgado e viveu a sua vida em função desse julgamento.

O maior desejo de Paulo era servir de modelo para as pessoas que, como ele, tinha os olhos no dia do julgamento.

A realidade do juízo produz cristãos sérios, tementes e fiéis a Deus. São pessoas que sabem que um dia serão julgadas por Ele.

Um dia eu vou dar conta da minha vida a Deus.

A maioria das pessoas foge quando o assunto é morte e julgamento, porque não queremos as conseqüências.

Queremos aquilo que temos vontade de fazer, mas as conseqüências inevitavelmente virão, pois colhemos aquilo que plantamos. Isso é um princípio espiritual.

O ser humano raramente enfrenta as conseqüências como elas realmente são. Muitas pessoas acham que para tudo existe um “jeitinho”.

Vivemos atropelando tudo o que nos atrapalha porque não queremos sofrer.

 

Romanos 14:10-12

“Mas tu, por que julgas teu irmão? Ou tu, também, por que desprezas teu irmão? Pois todos havemos de comparecer ante o tribunal de Cristo.

Porque está escrito: Como eu vivo, diz o Senhor, que todo o joelho se dobrará a mim, E toda a língua confessará a Deus.

De maneira que cada um de nós dará conta de si mesmo a Deus”.

 

Deus nesta Palavra está repreendendo aqueles que acham que foram chamados como juizes, lembrando que existem somente um que julga, e cada um de nós dará conta de si mesmo. Isso não pode ser mudado.

 

II Cor 5:10

“Porque todos devemos comparecer ante o tribunal de Cristo, para que cada um receba segundo o que tiver feito por meio do corpo, ou bem, ou mal”.

 

Você recebeu uma vida e um corpo e será julgado por aquilo que fez com eles.

Cada um de nós vai receber pelo bem ou pelo mal que tiver feito por meio do corpo.

Todos estarão reunidos no dia do juízo, sem exceção de ninguém.

Não existe razão mais séria para nos fortalecer naquilo que é bom, reto e bíblico.

Isso é suficiente para nos afastar do mal e viver o que a Bíblia ensina.

Essa razão nos leva a um caminho de retidão, de misericórdia, de justiça e verdade.

 

Tiago 5-9

“Irmãos, não vos queixeis uns contra os outros, para que não sejais condenados. Eis que o juiz está à porta”.

 

O juiz está à porta.

A pessoa que tem a esperança e o amor, mas não tem o temor, se torna num cristão frio, indiferente, inconseqüente e desinteressado.

Cada um de nós tem um livro, estamos escrevendo nossa história e os anjos estão a todo instante tomando nota de todo pensamento, palavra, obra, motivo e escolha que fazemos.

 

Apocalipse 20:11

“E vi um grande trono branco, e o que estava assentado sobre ele, de cuja presença fugiu a terra e o céu; e não se achou lugar para eles.

E vi os mortos, grandes e pequenos, que estavam diante de Deus, e abriram-se os livros; e abriu-se outro livro, que é o da vida. E os mortos foram julgados pelas coisas que estavam escritas nos livros, segundo as suas obras.

E deu o mar os mortos que nele havia; e a morte e o inferno deram os mortos que neles havia; e foram julgados cada um segundo as suas obras”.

 

Cada um está escrevendo um livro com a sua vida. Todos nós estaremos presentes no dia do julgamento, inclusive aqueles que não acreditam que ele irá acontecer.

 

Apocalipse 3:21

“Ao que vencer lhe concederei que se assente comigo no meu trono; assim como eu venci, e me assentei com meu Pai no seu trono.

Quem tem ouvidos, ouça o que o Espírito diz às igrejas”.

 

Os vencedores estarão assentados em Cristo.

Precisamos vencer o mundo, vencer a carne, vencer satanás, vencer as tentações.

Precisamos vencer a nós mesmos!

 

Esses conceitos de lei, de legislação nasceram no coração de Deus, a lei exercida pelos homens é uma extensão da justiça divina.

 

A justiça é um tema muito mais divino do que humano. Esses momentos de audiência com Deus é uma rotina nos céus.

Toda vez que oramos, chamamos nosso acusador para uma audiência diante de Deus. Jesus é nosso advogado.

Muitas pessoas nesse dia irão querer uma segunda chance, mas essa não virá para ninguém.

Podemos citar Hitler, médicos assassinos de bebês, mães que abortaram, assassinos.

O sangue derramado não fica sem punição.

Imagina a sensação de cada uma dessas pessoas diante do julgamento de Deus.

 

Muitas pessoas vivem como se esse dia não fosse chegar, como se suas obras não viessem à tona.

 

Salmo 1:5

“Por isso os ímpios não subsistirão no juízo, nem os pecadores na congregação dos justos”.

 

Imagina as pessoas que nunca tiveram tempo para Deus. Todos irão sentar no banco dos réus, e Deus irá chamar as testemunhas, e a primeira testemunha é a própria Palavra de Deus.

 

João 12:48

“Quem me rejeitar a mim, e não receber as minhas palavras, já tem quem o julgue; a palavra que tenho pregado, essa o há de julgar no último dia”.

 

Cada ser humano que escuta um versículo, que recebe um panfleto, que tem acesso a Bíblia, que escuta no rádio uma pregação, esses momentos irão depor contra essa vida naquele dia.

As pessoas irão prestar contas de todo sermão, de tudo que leram e ouviram da palavra de Deus.

 

Mateus 12:41-42

“Os ninivitas ressurgirão no juízo com esta geração, e a condenarão, porque se arrependeram com a pregação de Jonas. E eis que está aqui quem é mais do que Jonas.

rainha do meio-dia se levantará no dia do juízo com esta geração, e a condenará; porque veio dos confins da terra para ouvir a sabedoria de Salomão. E eis que está aqui quem é maior do que Salomão”.

 

Mateus 11:23

“E tu, Cafarnaum, que te ergues até aos céus, serás abatida até aos infernos; porque, se em Sodoma tivessem sido feitos os prodígios que em ti se operaram, teria ela permanecido até hoje”.

 

As práticas do mundo de hoje são muito piores do que Sodoma e Gomorra. Eles não tinham Internet com acesso a prostituição, não tinham crack, cocaína e tantas outras armas que destroem a sociedade.

Os pastores serão chamados para testemunhar.

 

Mateus 24:14

“E este evangelho do reino será pregado em todo o mundo, em testemunho a todas as nações, e então virá o fim”.

 

O pior caso nesse dia será o dos servos inúteis, são aquelas pessoas que Deus separou, mas que esconderam o talento, pessoas que não investiram tempo nos interesses de Deus, preocupadas somente com a religiosidade.

 

Mateus 25:26-30

“Respondendo, porém, o seu senhor, disse-lhe: Mau e negligente servo; sabias que ceifo onde não semeei e ajunto onde não espalhei?

Devias então ter dado o meu dinheiro aos banqueiros e, quando eu viesse, receberia o meu com os juros.

Tirai-lhe pois o talento, e dai-o ao que tem os dez talentos.

Porque a qualquer que tiver será dado, e terá em abundância; mas ao que não tiver até o que tem ser-lhe-á tirado.

Lançai, pois, o servo inútil nas trevas exteriores; ali haverá pranto e ranger de dentes”.

 

Pessoas que irão ver que tinham todas as chances para estarem em Cristo, mas abriram mão de tudo porque não tinham vida com Deus, não tinham intimidade.

Pessoas que nunca buscaram uma revelação plena de quem é Jesus Cristo, que foram chamadas, mas desistiram.

 

Aqueles que se tornaram pedra de tropeço irão sofrer muito no dia o juízo. Pessoas que expulsam outras da presença de Deus, que fizeram comentários da Igreja e com isso muitos se perderam.

 

Suas escolhas e decisões, seu testemunho, pode atrair ou afastar pessoas de Deus.

Não seja uma pedra de tropeço, um motivo de escândalo.

 

E para os vitoriosos, você tem que vencer, não tem opção.

 

Mateus 25:32-34

“E todas as nações serão reunidas diante dele, e apartará uns dos outros, como o pastor aparta dos bodes as ovelhas;

E porá as ovelhas à sua direita, mas os bodes à esquerda.

Então dirá o Rei aos que estiverem à sua direita: Vinde, benditos de meu Pai, possuí por herança o reino que vos está preparado desde a fundação do mundo;”

 

Os que venceram são as ovelhas e serão separados a destra do Pai.

Os vitoriosos não vão ter o que temer no dia do juízo.

 

I João 2:28

“E agora, filhinhos, permanecei nele; para que, quando ele se manifestar, tenhamos confiança, e não sejamos confundidos por ele na sua vinda”.

 

Os que confiam no Senhor, os vencedores não precisam temer esse dia. Somos amigos do juiz.

Existe um treinamento que nos prepara para o dia do juízo.

 

I Cor 11:31

“Porque, se nós nos julgássemos a nós mesmos, não seríamos julgados”.

 

Aquele que se julga não pode ser julgado.

Será que seu trabalho, seu ministério, suas posses se tornaram mais importantes para você do que os interesses de Deus?

Será que você tem negligenciado a sua família, a sua chamada, será que você é amigo de Deus e do mundo ao mesmo tempo?

Todos nós passaremos pelo julgamento de Deus e se formos vitoriosos seremos julgados só para saber o quanto receberemos de galardão, já estaremos salvos.

Olhe para você e coloque o temor a Deus dentro do coração e seja um vencedor.

 

Deus Abençoe,

 

Ap. Rina – Igreja Evangélica Bola de Neve

maosA comunhão é um mandamento de Deus. O Senhor fala em sua Palavra que devemos amar uns aos outros. E amar aos outros implica em diversas atitudes de nossa parte, tais como, orar pelos irmãos, chorar e se alegrar com eles, suprir algumas de suas necessidades entre muitas outras coisas. “Amados, se Deus assim nos amou, também nós devemos amar uns aos outros.” (1Jo 4.11). O verso 16, do capítulo 5, do livro de Tiago traz um conselho de Deus que é fundamental para que possamos aprender como ajudar uns aos outros na Batalha Espiritual diária de nossas vidas: “Confessai as vossas culpas uns aos outros, e orai uns pelos outros, para sedes curados. Muito pode, por sua eficácia, a súplica do justo.”

O mundo espiritual é muito mais real do que as pessoas costumam pensar ou acreditar. Vivemos sim, uma luta diária, contra o mal. Isso parece um pouco de exagero, mas por não saberem a extensão desta realidade muitas pessoas são fracas espiritualmente e não se preparam para a guerra. Deus nos capacita e nos ensina de diversas maneiras como resistir ao inimigo. E uma destas formas, estou certa que é ter uma vida de oração com amigos espirituais.

Quando o homem está em uma batalha, este precisa de cobertura, mas também tem que dar esta “cobertura”, mediante muita oração. Mas como é isso? Imaginemos que estamos passando por um momento difícil, ou prestes a realizar uma obra confiada a nós pelo Senhor, precisamos de pessoas dispostas a orar conosco e interceder por nós. E amigos espirituais podem fazer isso.

Nossos irmãos em Cristo têm este papel fundamental em nossas vidas. Uns pelos outros somos mais fortes, pois tudo o que é ligado na terra é ligado no céu e vice-versa: “Em verdade vos digo que tudo o que ligardes na terra será ligado no céu, e tudo o que desligardes na terra será desligado no céu.” (Mt 18.18). Já dizia um velho ditado popular, “a união faz a força”. E é assim que devemos caminhar, orando uns pelos outros, cooperando mutuamente, para que tudo aquilo que Deus nos direcionar a fazer seja cumprido da melhor maneira possível.    

Reflita sobre isso e tome uma decisão de implementar métodos de oração coletiva em sua vida. Por exemplo, monte um grupo de oração, com pessoas confiáveis e maduras espiritualmente. Divida uns com os outros seus dramas, dificuldades, medos e coloque tudo o que lhe aflige na pauta de oração. É importante ressaltar que você não precisa se expor por completo, claro que haverá questões que não precisam ser detalhadas, mas exponha pelo ou menos que há um problema e que isso precisa ser resolvido.

Esta é uma dica para você que tem sentido dificuldades na hora de orar e sente a necessidade de ser ajudado e, posteriormente, ser um agente abençoador.

* Autor Desconhecido

Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.

Junte-se a 25 outros seguidores