sim-ou-nao

“Disse também o Senhor: Simão, Simão, eis que Satanás vos pediu para vos cirandar como trigo, mas eu roguei por ti, para que a tua fé não desfaleça; e tu, quando te converteres, confirma teus irmãos.” (Lucas 22. 31-34).

O impulsivo Simão era um simples pescador até enxergar Jesus, mas o encontro com o Salvador mudou a vida daquele bruto homem. Ele deixou os peixes para seguir o criador do mar e de todas as outras coisas. Passou a se chamar Pedro e aos poucos foi se transformando em mais que um discípulo do Mestre. Amigo de Jesus, Pedro participou de momentos importantes da vida do Messias. Andou sobre as águas, presenciou a transfiguração e estava sempre pronto para servir e adorar.

Mas em um determinado momento, Jesus o chama pelo velho nome a fim de alertá-lo sobre uma possível falha em seu comportamento. Porque Pedro agora era chamado de Simão justamente por aquele que trocou o seu nome? Depois de refletir sobre o texto, entendi que Pedro e Simão eram os mesmos homens, no entanto, com características diferentes. Assim como Abrão e Abraão, Jacó e Israel, Saulo e Paulo. O velho e o novo homem, a carne e o Espírito.

Há uma guerra de vontades dentro de nós. Paulo entendia isso como ninguém e por isso escreveu: “… pois não faço o que gostaria de fazer. Pelo contrário, faço justamente aquilo que odeio”. O mesmo apóstolo nos ensina em Gálatas: “Porque o que a nossa natureza humana quer é contra o que o Espírito quer, e o que o Espírito quer é contra o que a natureza humana quer. Os dois são inimigos e, por isso, vocês não podem fazer o que vocês querem”.

Quantas vezes agimos de forma irracional e fazemos justamente aquilo que antes abominávamos. Todos os dias  temos uma escolha a fazer. Podemos decidir entre a carne e o Espírito, entre o mal e o bem e entre o velho e o novo homem. A Bíblia nos mostra a melhor opção: “Andai em Espírito, e não façais as vontades da carne”.

Você pode escolher a vida. Se porventura o fantasma do velho homem tentar te assombrar, lembre-se do que está escrito em Romanos: “…o nosso velho homem foi crucificado com Jesus na cruz, para que o corpo do pecado seja desfeito, para que não sirvamos mais ao pecado”. Nunca se esqueça que a nossa velha natureza já foi vencida por Cristo. Depois da ascensão de Jesus, Pedro nunca mais foi chamado de Simão.

Juliano Matos (Jornalista e colaborador do portal Lagoinha.com)

Anúncios