jesus-areia

Mateus 18:23-35 

 
Tem horas que pergunto: como é que Deus me agüenta? Há momentos em que só Deus mesmo.
 
Parece que viver nesta nossa carcaça é muito difícil e complicado devido às lutas da carne. Eu poderia viver como os anjos, que não têm essa história de luta.
Viemos de uma natureza pecaminosa e vivemos como Paulo, que deixou registrado em Romanos 7:19: que o mal que não queria fazer, este fazia.
 
É o velho homem que tenta aparecer para frustrar, decepcionar, e sempre que acho que estou fazendo alguma coisa certa, tudo dá errado; pior — é sempre na mesma área.
 
É neste momento que muitas pessoas param no meio do caminho. Acreditam que o cristianismo parece algo além daquilo que estão dispostos a fazer para Deus. Não por não amá-lo, mas por falhar muitas vezes e acharem melhor abrir mão de andar com Ele.
Por maior que seja o esforço, muitas vezes essa desistência de Deus é fatal. Pior do que isso é tentar dar um jeitinho – errar, não reconhecer o erro e não tentar consertar.
 
Para viver em paz tenho de aprender algo sobre graça, misericórdia e Reino.
 
Mateus 18:23-35
Este texto fala muito sobre perdão; veremos outros ensinamentos de Jesus por outro aspecto, através desta parábola.
 
Parábola é uma narrativa, ficção com intuito de trazer algo novo.
 
Havia um reino com um rei. Este rei queria fazer um balanço das finanças do reino. Neste balanço, o rei descobre que muitas pessoas deviam certos valores ao reino. Entre elas, um homem que deveria ser o “número 1” da lista dos devedores pelo valor da dívida. Era um valor muito alto que, se comparado e trazido para os valores de hoje seria mais ou menos o valor de 1 bilhão e oitocentos milhões de reais.
 
O que fica claro é que este homem não tinha condições de saldar esta dívida. Ele devia ser alguém de muita importância, que apresentou um projeto onde esta fortuna foi investida. Não sabemos, mas talvez este homem, por não saber administrar, perdeu este dinheiro e faliu. Sem ter com o que pagar a dívida, o rei dá uma ordem para que ele homem fosse vendido com toda a família e tudo o que tinha.
 
Esta parábola não vem falar sobre finanças, mas sobre Jesus querendo nos mostrar algo que estava relacionado com Ele e sua Igreja.
O rei tipifica Jesus Cristo e os servos simbolizam os cristãos, homens e mulheres que querem andar com Deus.
 
Versículo 26 – O homem se prostra e começa a reverenciar este rei.
 
Reverente (usado no texto no grego) = quer dizer bajulador; situação típica de um cão lambendo a mão do dono.
 
Ou seja, ele não estava se arrependendo verdadeiramente na forma que Deus espera de nós, com temor e tremor. Ele dizia: tenha paciência, me dá uma chance que eu vou dar um jeito; e que poderia compensar e cumprir todas as exigências que o rei tinha para ele.
 
É exatamente o que acontece com o cristão quando é pego em pecado, quando Deus mostra através do púlpito, através de profeta,…
A primeira reação é tentar bajular a Deus, o Rei. Pede outra chance, uma outra oportunidade, diz que vai mudar, que fará diferente, faz promessas e apresenta a Deus uma falsa dor. Fere o coração do Pai.
O coração ainda está duro e não houve arrependimento genuíno. Mas está falando pra Deus: me livra da derrota, não fere minha família, não acaba com a minha carreira. E fala como se pudesse compensar a Deus pelos erros que comete. Mas tudo é pela misericórdia.
Não há nada que possa compensar Deus pelos erros que cometemos. O coração de Deus foi ferido.
 
Versículo 27 – Houve um perdão movido por compaixão.
 
O rei é um homem bom; como ele poderia estar sendo enganado?
 
Se o rei tipifica Jesus, não poderia ser enganado.
 
O rei perdoa um homem que não se arrependeu de verdade e que só estava ali bajulando. Uma pessoa que não tinha noção de quão sério eram os seus pecados.
Este homem é como um ator representando uma cena sem a menor intenção de mudar e acredita estar passando uma “lábia” no rei.
O rei sabia que o servo não queria mudar, era pura emoção e tentava dar um jeito; mas não pensava em mudanças.
 
Mas, ele se compadece dele por pena? Ou por dó?
Por nada disso e, sim, porque o rei observa  que este homem estava doente. Ele começa a delirar porque achava que era algo insignificante.
 
É a mesma doença que o cristão que peca e pensa que se acerta com Deus quando chora, sempre com promessas de que irá compensar a Deus do que fez; mas esta é uma dívida impagável.
Nada do que eu fizer irá compensar o meu pecado. Ler mais a Bíblia, jejuar tudo na próxima vez que isso acontecer.
 
Por que ele foi perdoado então?
Porque Deus sabia que este homem iria passar por uma situação lá na frente que iria mostrar quem ele era e que nada havia mudado. Mas Jesus não quer perder ninguém, mesmo com este homem tentando manipular tanto.
 
Muita gente faz um voto com Deus de que irá mudar e lá fora nada acontece.
Deus tem falado repetidas vezes sobre pecados não arrependidos e nada de mudanças, o que é preocupante. Os corações devem estar duros para receber o efeito da palavra que está sendo pregada.
 
Aquele que é perdoado pela graça e acha que as suas atitudes no reino podem compensar o que fez, irá acabar se convencendo de uma mentira e de uma falsa paz. Aos seus moldes está bom viver com Deus assim; mas vive caindo e levantando e sai dos projetos de Deus, quando poderia estar ajudando a levantar àqueles que estão em dificuldade.
 
Algo novo com relação ao arrependimento é revelado:
Quando se aproximar do altar do Senhor para dizer: “Deus eu estou arrependido”, não diga só que é pela maneira equivocada de pensar, agir, falar, mas também, para se arrepender e abandonar a idéia de que poderia restituí-Lo pelos erros cometidos.
Nada, além da graça e misericórdia do Senhor, pode nos libertar.
Eu tenho de aceitar a misericórdia de Deus, pois é o único caminho onde serei liberto.
 
Nenhum mérito, acerto, o que fiz de bom pelas almas alcançadas, caridade; nada do que eu faça, nenhum esforço, santidade produzida por mim, nenhuma retidão que nasça dentro da minha alma, dentro dos meus padrões, pode equilibrar a minha conta com Ele; mesmo depois de descer às águas, ainda cometo pecado.
 
“Eu recebo a misericórdia, eu recebo a graça”.
 
Este homem perdoado recebe uma grande responsabilidade. O Ap. Paulo em Colossenses 3:12,13 diz que é ter mudança do estilo de vida, é estender a misericórdia aos que nos devem (Mateus 18:28–31).
A diferença entre o cristianismo e os outros “ismos”, é que não basta cumprir a adoração a Deus, o que é fácil, pois Deus é perfeito e maravilhoso; mas, também, amar ao próximo, pois as pessoas são diferentes umas das outras e do que nós acreditávamos que seriam. E se Deus nos aceita cheio de defeitos e tem misericórdia de nós, porque não sermos iguais a Ele?
 
Suportar é ter de tolerar as diferenças das pessoas e as coisas que nos irritam, mesmo que não gostemos.
 
Saber superar cada situação e perdoar para que o velho homem não venha se agarrar em nós de novo.
 
Versículo 32-35 – Tem horas que eu tenho vontade de voar no pescoço e esganar quem está me contrariando, mas… se eu não perdoar, Deus também não me perdoa. Se eu só ficar irritado e não amar como Deus amou….
 
Cometemos esses erros diariamente e nos achegamos a Deus com tanta facilidade como se não houvesse o peso destes pecados. Que seria de nós sem a misericórdia de Deus?
 
Quer ter paz verdadeira? Quer dar certo?
Então compreenda a dimensão do Reino e tenha uma imensidão da misericórdia e amor.
Este é um princípio para dar outros passos e conseguir cumprir os mandamentos. A palavra precisa produzir mudanças e não argumentos.
 
Deus nos espera de braços abertos.
 
Deus abençoe!
Ap. Rina – Igreja Evangéica Bola de Neve (SP)
Anúncios