tijolo e cia

Paulo foi o maior operário e plantador na história da Igreja. Talvez nenhum rei, nenhum escritor, nenhum sábio, tenha suas obras com maior importância e mais divulgadas do que o apostolo Paulo.

Saulo tinha uma cultura muito grande, ele era capaz de discutir com filósofos da época com muita desenvoltura.

Saulo era uma fera selvagem

Saulo de Tarso foi o maior perseguidor da igreja cristã, podemos compará-lo a uma fera selvagem que se levantava como perseguidor implacável atrás de sua vítima. Ele entrava pelas casas assolando homens e mulheres. Ele não persegue apenas as pessoas, ele persegue a idéia da igreja cristã. Ele entrava pelas igrejas e açoitava as pessoas. Em sua fixação ele perseguia o próprio Jesus, querendo acabar com o nome de Jesus. Ele perseguia não só fisicamente, mas também psicologicamente.

A fama dele de Jerusalém já estava em damasco, a ponto de Ananias declarar que ouvira que Saulo perseguia a MUITOS (não alguns).

Saulo era um touro indomável

Ao tentar enlaçar um touro o toureiro tenta até que o touro se canse e consiga laçá-lo. Saulo não se amansava, mas cada vez que ele perseguia uma pessoa e o cristão morria sem reclamar, Deus estava falando com ele e amansando a sua vida e quando Deus o cega no deserto, o touro é derrubado.

Quando Paulo se converte ele passa a fugir do judaísmo e andar escondido e fugindo durante a noite e os cristãos não acreditavam em sua conversão.  Então Deus começa a falar com Paulo.

Certa vez ao retornar para Jerusalém a igreja não o queria mais como pastor e não era só a igreja, mas Deus também não o queria como pastor. Quando Paulo saiu da igreja, a igreja teve paz e voltou a crescer. Deus faz a Sua obra em nós, para depois nos usar na sua obra. Deus estava trabalhando nele para depois trabalhar através dele.

Em sua viagem missionária, Barnabé e Paulo têm uma desavença e se separam, mas Deus é tão gracioso que mesmo em meio à desavença humana Deus usa os dois, e ao invés de se ter uma frente missionária, passaram a ter duas frentes abençoadas.

Evangelização e ação social caminham juntas, é preciso cuidar da alma e do corpo juntos e Paulo tinha essa concepção.

Não foi o naufrágio que levou Paulo a Roma, mas foi a providencia de Deus. Quando você acha que sua vida está à deriva por alguma decepção, é a mão de Deus te levando para horizontes mais altos. 

Paulo trazia sobre ele as marcas de Cristo, tendo sido açoitado, pisoteado e já velho, mas ainda sim ele queria vôos mais altos, ele desejava alcançar a Espanha e outros países.

Da prisão, Paulo escreve a carta a Timóteo avaliando a sua própria vida.

Em uma avaliação humana, poderíamos concluir que Paulo foi um fracassado, pois terminou sua vida solteiro, velho, sem posses, preso e morto, mas Paulo foi um dos maiores abençoadores de vidas da história do cristianismo.

Em sua carta Paulo inicia avaliando o seu presente v6 , Paulo fala de sua partida como se fosse morrer. Morrer para o crente é mudar de endereço, morrer é voltar para a casa do Pai. Paulo está pronto para morrer. V9 Paulo aprende a perdoar na sua velhice. V13 Paulo estava enfrentando privações. V16 Todos o abandonaram. V17 pode faltar o recurso do homem para você, mas não faltará o recurso de Deus na sua vida. V18 mas ao invés de reclamar da sua vida, Paulo engrandece a Deus e assume que Deus é a razão da sua vida.

Rev. Hernandes Dias Lopes – 1ª Igreja Presbiteriana de Vitória (ES)  

* Mensagem ministrada na Semana da Juventude 2009 da Catedral Presbiteriana do Rio de Janeiro, cujo tema principal é “Desculpe o transtorno, estamos em obras”