Mocidade para Cristo

“Todo aquele, pois, que ouve estas minhas palavras e as pratica será comparado a um homem prudente que edificou a sua casa sobre a rocha;

E caiu a chuva, transbordaram os rios, sopraram os ventos e deram com ímpeto contra aquela casa, que não caiu, por que fora edificada sobre a rocha.

E todo aquele que ouve estas minhas palavras e não as pratica será comparado a um homem insensato que edificou a casa sobre a areia;

E caiu a chuva, transbordaram os rios, sopraram os ventos e deram com ímpeto contra aquela casa, e ela desabou, sendo grande a sua ruína.” Mateus 7:24-27

Dias difíceis estão acontecendo, temos pessoas que não praticam a palavra porque não a ouvem.

Por que chegamos até onde chegamos? A história, os acontecimentos mundiais influenciaram no momento que estamos vivendo, pois a geração anterior foi oprimida por um movimento onde nada era permitido (jogar bola, vôlei, etc.) e esta geração se rebelou seguindo um movimento Gospel que atendia uma demanda latente.

Este movimento gerou uma ditadura do louvor comercial, onde o culto gira em torno de louvor e tirou a palavra do centro.  Antes não podia muita coisa, mas do culto saía conteúdo, hoje não se sabe nada sobre a bíblia.

Conseqüências por se tirar à bíblia do centro:

– As igrejas viraram tremendos campos missionários, pois as pessoas que lá estão não tem seus nomes escritos no livro da vida;

– Pregadores pregando o texto fora de contexto para servir de pretexto;

– Geração de jovens nascidos em lares evangélicos, mas que não vivem a palavra, pois estão acostumados com a rotina de escola dominical, cultos, etc. Esta é uma geração que está perdida, mas perto da palavra. Estão perdidamente perto.

“Temos que trazer a bíblia de volta para o centro, senão seremos casa edificada sobre a areia.”

– Igreja flutuante, pessoas que correm atrás de bênçãos. Teologia de quinta categoria que tira Deus do centro e coloca o homem no centro. “Deus me abençoa por causa da minha fidelidade para com Ele.” “O culto foi bom porque eu me senti bem.”

– Falta de vocações missionárias. Onde estão os missionários que largavam tudo para pregar o evangelho?  Estamos preocupados com o bem estar. Hoje as pessoas escolhem a igreja com um checklist, verificam o que a igreja tem para oferecer;  ar-refrigerado, berçário, boa equipe de louvor. A igreja está cheia de clientes.

Jovens, levem a sério à palavra, dediquem-se.

O que você vai fazer com a sua formação? Você pretende fazer engenharia, odontologia, e outras, para que? Ganhar dinheiro? Isso é muito pouco. Sirva ao Senhor com a sua formação.

O sistema capEtalista (do inferno) estimula os jovens a largarem os valores corretos e seguirem os valores do mundo. Onde você está, o que você é, é para a Glória de Deus.

Rev. Marcelo Gualberto – Congregação Presbiteriana Central de Belo Horizonte (MG) e diretor nacional da Mocidade para Cristo (MPC) 

* Mensagem ministrada na Semana da Juventude 2009 da Catedral Presbiteriana do Rio de Janeiro, cujo tema principal é “Desculpe o transtorno, estamos em obras”