You are currently browsing the tag archive for the ‘blog cristão’ tag.

presente de deus

Há um ano atrás esse blog foi criado com o objetivo de abençoar a vida de “meia dúzia” de amigos. A ideia era evitar o envio de “milhares” de mensagens por e-mail e concentrar todas em um só lugar. Hoje posso dizer que a família cresceu, e muito por sinal. A cada dia que passa, temos um número maior de acessos e conseqüentemente novos amigos. Amigos que chegam para compartilhar sua luta/dor, outros para compartilhar a alegria de achar aqui uma palavra de Deus no momento certo para suas vidas.

 

Em nosso primeiro aniversário, quero agradecer a Deus pela vida de cada um de vocês. E agradecer a cada um de vocês pelo carinho e pelas orações.  

 

DADOS E CURIOSIDADES:

 

  • Já ultrapassamos a marca de 50 mil acessos. Isso sem nenhum tipo de propaganda e divulgação em massa.
  • Temos mais de 150 mensagens publicadas de diferentes pastores de diversas denominações evangélicas.
  • Os Tags (marcadores de busca) do Ap. Rina, Rev. Hernandes Dias Lopes e Conferência Profética do Bola de Neve são os mais procurados.
  • As palavras “universo, ovelha e paisagem” foram os termos que mais geraram buscas ao blog.
  • O site do Pr. Silas Malafaia, Deus ama você, Max Lucado foram os links mais clicados pelos nossos leitores.
  • E a mensagem mais acessada foi “OS PRIVILÉGIOS DE SER OVELHA DO BOM PASTOR” (Rev. Hernandes Dias Lopes), “FELIZ 2009” (Raphael Farias) e “NÃO DESISTA DOS SEUS SONHOS” (Rev. Hernandes Dias Lopes).

 

Toda minha gratidão a vocês se resume em uma simples palavra, porém extremamente poderosa: DEUS TE ABENÇOE!!!

 

Agradeça a Deus por TUDO o que Ele tem feito e por TUDO que ainda irá fazer.

 

Um forte abraço,

 

Raphael Farias

oracao

Jó 22.27

Jó viveu o auge do sofrimento. Ele saiu de uma situação próspera e tranqüila, para um terrível sofrimento num único momento. Ele era admirado e possuía uma grande família, riquezas e gados, mas da noite para o dia, perdeu tudo. E ele não sofreu somente abalos na sua riqueza, mas também teve forte abalo emocional pela perda dos filhos. E como se não bastasse, também foi atingido na sua saúde. Ele foi tocado por uma chaga maligna.

No seu sofrimento, Jó é visitado por três amigos. Eles choraram por sete dias e sete noites, sem proferir qualquer palavra. Mas estes homens começam a falar, e cada um tem o seu discurso. E Elifaz é um destes. Ele traz a sua visão, ensino e conselho para Jó. Elifaz   teve uma leitura parcial do quadro de Jó. Ele buscou pecado em Jó, pois para ele, isto seria a causa de todo o seu sofrimento. Mas Elifaz também traz uma possível solução. E embora que Jó fosse a pessoa errada para escutar aquele conselho, o conteúdo é bom e correto.

Ele sugere arrependimento e conversão a Deus para Jó. Mas ele também sugere uma oração. Ele diz: “Orarás a ele, e ele te ouvirá; e pagarás os teus votos.”

Elifaz nos ensina uma grande verdade. Eu não preciso esperar alguém orar por mim, eu posso orar ao Senhor. Isto fala da pessoalidade da oração. A oração era parte da solução do sofrimento. Mas parece que enxergamos a oração como um rito litúrgico, ou desencargo de consciência. Poucos vêem a oração como um instrumento que pode mudar a nossa história. A oração é pessoal e não podemos transferi-la. Existem pessoas que estão encarando quadros graves e sérios e que precisam orar. Jesus deu importância à oração, e nós também precisamos dar.

Neste texto encontramos três fases da oração. Isto diz que oração é um processo, ela tem o antes, durante e depois. Às vezes, até sabemos da importância da oração, mas pecamos em alguma destas fases. Vejamos elas:

1º – Antes da oração, precisamos ter a certeza que estamos sendo ouvidos. Parece simples, mas muita gente falha nisto. Existem pessoas que buscam a certeza se estão sendo ouvidas, durante a oração e não antes. Acham que só quando há alguma sensação ou arrepios, é que Deus está ouvindo a oração. Mas não é o que sinto, e sim o que creio, que faz com que a nossa oração seja ouvida. 

– Durante a oração, preciso ter a convicção de que falo diretamente com Deus. A oração não tem intermediários. Somente Jesus é o nosso mediador. Existem pessoas que estão se acostumando a pedir que outros orem por ela. Nós temos acesso direto ao Pai. Não podemos ter reservas ou vergonha. Podemos falar diretamente, do nosso jeito, sem protocolos. Não preciso esperar uma campanha de oração para que Deus faça um milagre em minha vida.

3º – Depois da oração, precisamos cumprir o que prometemos. Tem muita gente que descarta esta fase. Pessoas que se comprometem com coisas, mas não cumprem. Pessoas que embutem um propósito na oração, para dar um peso maior, e que quando são ouvidas, e são abençoadas, não cumprem os seus votos. Deus não apenas considera a oração, mas Ele também considera o voto. Deus espera que cumpramos os nossos votos. Deus vê a nossa aflição antes da oração, contempla a angústia durante, mas precisa ver também a nossa fidelidade depois da oração. 

Jodson Gomes – Assembléia de Deus em Bonsucesso (RJ)

pai-e-filho1

Ser pai é um sublime privilégio, mas também uma imensa responsabilidade. Não basta gerar filhos, é preciso fazer grandes investimentos na vida deles para educá-los e prepará-los para a vida. Muitos homens tornam-se famosos e alcançam o apogeu do sucesso na carreira profissional, mas poucos têm êxito no recôndito do lar. A paternidade responsável é um grande desafio ainda hoje. Vamos observar, à luz da Palavra, alguns princípios importantes para os pais.

Em primeiro lugar, um pai que faz diferença é alguém que é um exemplo para os filhos. Antes de um pai ensinar os filhos, ele precisa viver o que ensina. O exemplo não é apenas uma forma de ensinar, mas a única eficaz. Antes de inculcar nos filhos a verdade, o pai precisa ter essa verdade no coração. O pai não pode apenas ensinar o caminho aos filhos, mas ensinar no caminho. O pai é um espelho. O espelho demonstra. Precisamos de pais que sejam modelo de honestidade, de piedade e vida cheia do Espírito.

Em segundo lugar, um pai que faz diferença é alguém que encontra tempo para os filhos. Quem ama prioriza. Quem ama encontra tempo para a pessoa amada. Um pai jamais pode sacrificar o importante no altar do urgente. Tudo à nossa volta tem o apelo do urgente. Mas, nem sempre o urgente é importante. Os filhos são importantes. Eles merecem o melhor do nosso tempo, da nossa agenda, da nossa atenção. Se um pai está tão ocupado a ponto de não ter tempo para os filhos, ele está ocupado demais. Na verdade, nenhum sucesso compensa o fracasso do relacionamento com os filhos. A herança de Deus na vida dos pais não é o dinheiro, mas os filhos. Presentes jamais substituem presença. Os filhos precisam dos pais, mais do que de coisas.

Em terceiro lugar, um pai que faz diferença é alguém que equilibra correção e encorajamento. O rei Davi pecou contra seus filhos porque não gostava de contrariá-los. O sacerdote Eli é acusado de amar mais os filhos do que a Deus, porém, seu amor não era responsável, pois ele foi conivente com o erro de seus filhos e não teve pulso para corrigi-los. Deixar de corrigir os filhos é um grande perigo. Porém, a correção precisa ser equilibrada com o encorajamento. Os filhos precisam ser estimulados pelos pais. O elogio sincero e a apreciação são ferramentas importantes na formação emocional dos filhos. Os filhos precisam se sentir amados, protegidos, e orientados pelos pais. Correção sem encorajamento é castigo; encorajamento sem correção é bajulação. Ambas as atitudes estão fora do propósito de Deus.

Em quarto lugar, um pai que faz diferença é alguém que cuida da vida espiritual dos filhos. Não basta dar teto, comida, roupa, educação e segurança aos filhos. O pai precisa prioritariamente conduzir seus filhos pelos caminhos do Senhor. O pai deve gerar seus filhos não apenas biologicamente, mas também gerálos espiritualmente. Um pai que faz diferença é como o patriarca Jó que intercedia todas as madrugadas pelos seus filhos e os chamava para santificá-los. Precisamos de pais que aspirem não apenas o sucesso profissional dos filhos e invistam não apenas no êxito estudantil deles, mas busquem prioritariamente a salvação de seus filhos. Não bastater filhos brilhantes, precisamos ter filhos salvos. Não basta ter filhos bem sucedidos profissionalmente, precisamos ter filhos consagrados a Deus. Nossos filhos são mais filhos de Deus do que nossos. Eles devem ser criados para realizarem os sonhos de Deus mais do que os nossos. Eles devem viver para a glória de Deus mais do que para a nossa realização pessoal.

Rev. Hernandes Dias Lopes – 1ª Igreja Presbiteriana de Vitória (ES)

Feliz Dia dos Pais a todos os nossos leitores. Em especial ao meu GRANDE pai. Que foi, é e sempre será o meu exemplo de vida.

beautifultwittericons[3]

Prezados,

Atendendo a pedidos dos amigos e leitores do blog Presente de Deus, estou disponibilizando o link do meu Twitter oficial para aqueles que desejam “me seguir”.

www.twitter.com/raphaellfarias

OBS: Meu Twitter pessoal é também o Twitter oficial deste blog. Tentei criar um exclusivo para o blog, mas infelizmente já existe um cadastrado.

DSC00079

“Deus, obrigado pelo privilégio de conhecer aqui na terra, uma pessoa tão especial como o Max Lucado, o qual eu só imaginava conhecer um dia no céu”. Essa foi à única coisa que pensei após ter conhecido pessoalmente o Max Lucado neste final de semana.

Não estou aqui endeusando ninguém e muito menos tendo o meu momento fã-clube. Todos nós temos o desejo de um dia chegar ao céu e conhecer Abraão, Moisés, Paulo, Davi, Isaque, Jacó e cia; fazer diversas perguntas e bater altos papos com cada um deles. Eu também tenho esse desejo, mas falando de gente do meu tempo, da minha época, gente da gente, eu posso dizer que o Max Lucado estava na minha lista, afinal, eu imaginava conhecê-lo dia no céu como já disse.

Normalmente criamos barreiras e esse meu pensamento se deve pela distância física e geográfica que existia entre nós, entre AUTOR vs. LEITOR. Porém essa barreira foi quebrada neste último final de semana.  

Quem me conhece, sabe que gosto muito da maneira simples e ao mesmo tempo profunda que o Max Lucado consegue transmitir através das suas mensagens. Leio os seus livros e ouço Deus sussurrando com uma voz calma e serena em meus ouvidos. Muitas vezes lemos e relemos diversos versículos da Bíblia, mas não nos ligamos nos detalhes, que muitas das vezes, é o ponto principal. O Lucado consegue despertar/acender em nós, essa luz de alerta. 

Voltando ao assunto… No sábado a tarde, fui até a livraria Fnac no Barra Shopping (RJ) simplesmente para comprar o novo livro e ver o Max de perto, porém cheguei ao local aos 48 do segundo tempo e de presente, tive o privilégio de bater um papo rápido (ele fala muito bem o português, até porque, ele já morou no Brasil por 5 anos). Fiquei surpreso com o seu jeito simples, educado e atencioso. Conversamos sobre os eventos no Brasil e pedi para que autografasse um dos meus títulos prediletos (Derrubando Golias).

No dia seguinte, lá fui eu para a Quadra da Mangueira, pois precisava muito ouvi-lo falar especificamente sobre o novo livro: “Sem Medo de Viver”. Afinal, TODOS nos temos um medo dentro da nossa mente e coração, porém Jesus disse: “Não temas”.

Estava eu nos fundos da quadra, esperando o inicio do evento, quando de repente, vi o Max Lucado na janela (nos fundos do camarote) acenando para mim e dizendo: “Olá, tudo bem?”. Fiquei mais uma vez surpreso, afinal, não esperava por isso. Como a distância física desta vez era maior, mantive um pequeno e rápido papo com ele (inclusive sobre churrasco e feijoada. rs…).

Lucado, em seu bom português e de uma forma bem descontraída, contou a piado do peixe e comentou sobre algumas expressões que só usamos no Brasil (“matar saudade”, “desculpe qualquer coisa”, etc). Mais uma vez comentou que adora a culinária brasileira em especial a feijoada e churrasco.

Sobre o seu mais recente livro, ele disse que na Bíblia, encontramos mais de vinte e uma vezes citações de  Jesus falando sobre o medo, ter medo.

Deus criou o medo para ser uma espécie de termômetro para as nossas vidas. Quando temos medo de morrer devido a uma enfermidade, vamos ao médico. Quando temos medo da crise economia, economizamos dinheiro e por ai vai. Ter medo não é pecado, mas o medo pode te levar a pecar, afirma o autor.

“O medo vai bater em sua porta, simplesmente não o convide para entrar. Não deixe que o medo passe a noite em sua casa”, é a mensagem de Max Lucado para todos os cariocas e, claro, para todos os brasileiros.

Raphael Farias

em_construcao

Atos 9:1 a 20

Eu que sou uns dos maiores acusadores da programação da televisão, começo citando um programa que passa pelas seis da tarde, um dos únicos programas que assisto além dos filmes de terror. O programa é o Extreme Makeover: Reconstrução Total. Ele faz algo parecido com o programa do Luciano Huck, escolhem pessoas vítimas de alguma catástrofe (furacão, guerra do Iraque, etc) nos EUA que se inscrevem no programa através de uma carta e reforma a casa. A família escolhida é questionada com o tipo de casa que queria ter, e durante a reforma a família vai passear em algum lugar (Caribe, Europa, etc).

Os trabalhadores destroem praticamente a casa toda e constroem uma nova em sete dias. A volta da família ao lar é empolgante, fica um ônibus na frente da casa pra fazer um suspense e a surpresa. O apresentador fala:” Se vocês gostaram por fora, espera pra ver por dentro.” Entre os arquitetos do programa existe um chamado Ty que desenvolve o Projeto do Ty , ele escolhe uma pessoa que se destaca na família por algum motivo e faz o projeto mais cuidadoso e especial.

Muitas vezes para que algo novo possa se estabelecer é preciso destruir o antigo. Outra coisa que podemos aprender é que tem sempre um projeto que é especial, a ele é devotado um brilhantismo (projeto do Ty). Você já pensou que Deus tem um projeto especial pra você que é diferente do tipo de relação que tem com Ele atualmente? É um Extreme Makeover da nossa vida, uma reconstrução total.

REPENSANDO A CONVERSÃO

Quero falar de uma palavra que usamos muito no meio evangélico, porém de maneira equivocada, a palavra conversão. Geralmente usamos para um evento, para nos referir ao dia específico que nos convertemos. Eu acredito que conversão é um projeto muito mais demorado do que isso, ele começa no dia que temos um encontro com Cristo, mas vai até a volta de Cristo. Então é preciso repensar essa conversão.

Paulo foi o maior missionário que já existiu. Esse texto (Atos 9: 1 a 20) nos mostra quais as características de uma genuína conversão, apesar de doutrinário ele dá as nuances de uma verdadeira conversão. E isso serve para nós questionarmos a nossa conversão. Todos nós precisamos fazer esse exercício independente do tempo de batismo e profissão de fé.

O que acontece comigo quando eu estou nesse processo chamado conversão?

1.Torna-me ENSINÁVEL (vs.10)

Paulo acabou de cair do cavalo, mas ainda precisa ser ensinado, doutrinado. O interessante é que aquele terrorista se torna alguém disposto a aprender. Precisamos nos tornar aprendiz, e essa é uma das características inegociáveis da conversão.

Miguel Zuguer foi terrorista religioso que destruiu ônibus com freiras e crianças. Certo dia ele foi pra Argentina reunir candidatos a terroristas na America Latina a fim de levá-los para o Iraque. E andando pela Argentina ele viu um lugar escrito “Casa de Oração”, entrou pensando ser uma mesquita e ali ele se converteu. Por causa disso precisou ser escondido, pois foi perseguido. Posteriormente se casou com uma brasileira em Belo Horizonte. Ele gostava muito de ficar com as crianças e aprender com elas porque ele já tinha perdido muito tempo com o terrorismo e não tinha sido criança. “Eu fico com a pureza da resposta das crianças”.

Precisamos ser um eterno aprendiz do Senhor. Você para pra ouvir quem diz sim e não pra você? Você está sob a autoridade espiritual de alguém? Quanto perto de Jesus você esta? Porque quem está perto de Jesus é ensinável. Interessante como gente nova na Fé quer aprender e gente velha na Fé acha que sabe tudo. Ser ensinável faz de você alguém que está se convertendo gradualmente ao senhor.

2.Torno-me REFLEXIVO (vs. 9)

Paulo ficou três dias sem ver,sem beber e sem comer. Eu imagino que ele não tenha falado, tenha ficado refletindo sobre aquilo que acabara de lhe acontecer, o processo tinha acabado de começar na vida dele. Paulo só queria aquela presença, aproveitar daquela sensação de êxtase, ele não trocava aquilo por nada nem por uma refeição. Esse é um tempo de avaliação e arrependimento, de aprender as disciplinas espirituais, tempo para pensar na nossa própria relação com Deus. Há quanto tempo você não pára pra questionar sua relação com Deus? Há quanto tempo não pára pra dar uma volta com Deus?

“Fazer da queda um passo de dança”

3. Torno-me RELACIONAL (vs.17)

Pela primeira vez Paulo escuta a palavra irmão como redimido. Há uma força nessa atribuição de fraternidade, ela significa que eu e você independente das nossas diferenças e preferências temos o mesmo DNA, porque o mesmo sangue foi derramado através de Cristo Jesus, porque esse mesmo sangue corre na nossa veia. É por isso que não dá pra brincar com essa palavra; eu imagino o impacto que essa palavra deve ter causado na vida de Paulo, e também na vida de Ananias quando disse isso pra um ex – terrorista. Eu não acredito na conversão à parte da Igreja de Cristo, fora dos limites dos irmãos da fé independente do formato que ela tenha. Fora da comunidade da Fé tenho dificuldade de crer que a conversão possa se cultivar. É por isso que apesar de tudo que vivemos eu acredito na Igreja e sou Igreja enquanto Deus me der força pra ser Igreja.

4.Torno-me SENSÍVEL (vs. 18)

Paulo sofreu pelo evangelho. A conversão da maioria de nos é muito parecida com a de Saulo: em algum ponto da sua vida você caiu do cavalo, viu uma luz, percebeu que era cego e passou a ver, foi ensinável, reflexivo, relacional. Geralmente a nossa conversão vai até esse ponto, poucos são os que se convertem suficiente ao ponto de serem capazes de morrer em nome de Cristo, de se tornar sensível. A história de Paulo gira em torno da sensibilidade de Paulo ao chamado de Deus. Tenho certeza que você tem um chamado de Deus, mas nos costumamos recusá-lo.

Nenhum de nós foi chamados para estar na igreja, todos fomos chamados para nos abastecer na igreja e sermos cristão fora da igreja. A verdadeira conversão sabe do propósito de amar a Deus e gozá-lo para sempre. Tem gente que é convertida até certo ponto, mas tem gente que é sensível a fazer a obra de Deus.

Deus tem uma proposta de conversão tão integral que não dá pra ver o outro lado, mas nós preferimos aquela limitada, embairrerada. É como se o Ty (apresentador do programa Extreme Makeover) gritasse que vai te dar uma casa nova e você dissesse que só vai querer reformar a cozinha.

Deus te convida a abdicar da sua vida e escolher a vida de Cristo, a não se contentar com um lago, quando ele tem o Mar para oferecer.

Rev. Mário Henrique  

* Mensagem ministrada na Semana da Juventude 2009 da Catedral Presbiteriana do Rio de Janeiro, cujo tema principal é “Desculpe o transtorno, estamos em obras”

capacete feliz

O que você tem hoje, todo o seu dom e talento é para ser usado hoje em prol do reino.  Deus não vai precisar dos seus serviços no céu. Se você é um advogado Ele não vai precisar de um no céu, pois Jesus será nosso advogado, se você é um arquiteto, Deus é o grande arquiteto.

Em uma viagem a África encontrei um bichinho e resolvi trazer e dar um nome a ele, chamando de Rock. (Rock é um animal de pelúcia, ele brinca com rock)

Quem faz o rock ter vida são as minhas mãos, precisamos nos entregar e nos converter. Conversão é deixar que Deus trabalhe na sua vida.

“No princípio Deus criou todas as coisas…” Deus desenhou o homem, criou com suas próprias mãos, Ele planejou. Deus tinha um propósito para sua criação.

Um dia Deus encontrou o homem triste, Deus tinha um plano maravilhoso para a vida do homem, então Deus retira da costela do homem a sua matéria prima para a criação de uma companheira. O homem e a mulher estavam felizes no Éden. Deus então disse que tudo eles poderiam fazer, menos comer do fruto proibido, porém o homem desobedeceu a Deus destruindo tudo o que Deus construiu para ele, então o plano maravilhoso de Deus, o projeto que Deus tinha para o homem foi destruído pela ganância do homem. Deus criou o homem para ter alegria, paz, esperança, mas pela desobediência, o homem passou a andar triste e cabisbaixo.

Deus ainda quer executar o Seu plano maravilhoso, por isso enviou seu filho unigento para que todo aquele que nEle crer não pereça, mas tenha a vida eterna. Jesus veio para realizar novamente este plano na sua vida, reconstituir a sua alegria.

A criatura só se sente completa quando encontra o criador.

Jesus leva sobre si todos os nossos pecados para restaurar a sua esperança, Ele morreu, mas ao terceiro dia Ele ressuscitou. Ele que foi castigado, humilhado, pisado pelas nossas transgreções, morreu, mas ressuscitou. Muitos líderes morreram, mas Jesus foi o único que ressuscitou e é a nossa esperança.

Deus tem um projeto e todos fazem parte deste plano e deste projeto de Deus. Jesus morreu por todos nós sem exceção, mas ele trabalha em nós individualmente. O plano que ele tem para sua vida é maravilhoso, é lindo, basta que você permita ele agir. Deus não rejeita um coração contrito e quebrantado. Entregar a vida a Jesus tem que vir com quebrantamento e rendição.

A crise do mundo não é financeira e sim entender qual o sentido da vida, muitos andam com medo e sem esperança, mas Jesus morreu por você para restaurar a sua esperança.

Muitos freqüentam a igreja hoje mas estão longe da casa do pai. A igreja é um grande campo missionário.

Deus dá uma nova oportunidade para o homem, vale apena confiar em Deus e permitir que Deus trabalhe em sua vida, você só tem que descansar, e o plano de Deus se realizará em sua vida.

Miss. Paulo César (Palhaço Paulinho) – Mocidade para Cristo (MPC) 

* Mensagem ministrada na Semana da Juventude 2009 da Catedral Presbiteriana do Rio de Janeiro, cujo tema principal é “Desculpe o transtorno, estamos em obras”

jovens

O Dr. John Mackay, presidente do Seminário de Princeton, em seu livro “O sentido da vida”, disse que não há relação mais espiritual e sublime que a amizade. A relação de amigos é mais elevada que a de irmãos, noivos ou esposos, pois há muitos irmãos, noivos e esposos que não são amigos. Vamos analisar três aspectos acerca do grande valor da amizade. Como podemos conhecer um amigo verdadeiro?

1. Um amigo é alguém que está do nosso lado ainda quando todos nos abandonam – A Bíblia diz: “Em todo tempo ama o amigo, e na angústia se faz o irmão” (Pv 17.17). Um amigo é o primeiro a entrar, depois de todos terem abandonado a casa. Ele se aproxima não para tirar-lhe algo, mas para oferecer-lhe tudo, sua amizade. Há duas caricaturas de amizade, que não passam de uma falsa amizade. A primeira é a amizade tabernária. Nenhum liame existe entre os amigos “tabernários” além do desejo comum de matar o tempo, de tomar uns copos, de contar pilhérias um tanto escabrosas, de maldizer o próximo e fazer farra. Esses amigos dispersam-se na hora da angústia, como os amigos do Filho Pródigo fugiram, deixando-o faminto e necessitado. A segunda amizade falsa é a amizade utilitária. É a daqueles para quem todo “amigo” é uma conveniência, um meio atual ou potencial de facilitar-lhes os interesses. Essa amizade é uma espécie de pesca de favores, honras, posições e lucros. Essa espécie de amizade constitui-se numa ameaça para a moralidade pública. Distribuem-se os cargos não pelos méritos pessoais dos candidatos, mas pelo número de “amigos” que possuem. Mas, se há “amizade” falsa, existe também a amizade verdadeira. O amigo verdadeiro ama em todo tempo. O vendaval só conseguirá que os verdadeiros amigos deitem raízes mais profundas, entrelançando-se-lhes as radículas no solo do amor eterno.

2. Um amigo é alguém que não precisa usar máscaras para desfrutar de intimidade – A Bíblia diz: “… há amigo mais chegado do que um irmão” (Pv 18.24). Um amigo verdadeiro não precisa de formalidades e convencionalidades para se aproximar de nós. Ele nos conhece e nos ama não apenas por causa das nossas virtudes, mas também apesar dos nossos defeitos. O verdadeiro amigo é aquele que está perto nas horas de celebração e também nos tempos de choro. Ele é capaz de chorar conosco na dor e cantar conosco nos dias de festa. A verdadeira amizade derruba paredes e constrói corredores; nivela os vales e constrói pontes. A Bíblia destaca a amizade de Davi e Jônatas. Essa amizade foi santa, íntegra e fiel. Esses dois jovens buscavam o bem um do outro. Eles protegiam um ao outro. Um amigo verdadeiro não se nutre de suspeitas nem dá ouvidos à intriga. Não há amizade sem lealdade. A intriga é o verdugo da amizade. A amizade é edificada sobre o fundamento da verdade e cresce com o cultivo da intimidade.

3. Um amigo é alguém que prefere o desconforto do confronto à comodidade da omissão – A Bíblia diz: “Como o ferro com o ferro se afia, assim o homem ao seu amigo” (Pv 27.17). Uma amizade verdadeira não é construída sobre a cumplicidade no erro, mas sobre o confronto da verdade. As feridas feitas pelo amigo são melhores do que as lisonjas do bajulador. Uma amizade leal não se acovarda na hora do confronto. Há circunstâncias em que a maior prova de amizade está em aceitar o risco de perdê-la, em nome da própria amizade. A Bíblia nos ensina a falar a verdade em amor. A Bíblia nos orienta a servir de suporte uns para os outros. A Bíblia nos manda corrigir aos que são surpreendidos na prática de alguma falta, e isso, com espírito de brandura. Não existe amizade indolor. Não existe amizade omissa. Um amigo é alguém que tem liberdade, direito e responsabilidade de exortar, corrigir e orientar seu confrade quando vislumbra a chegada de um perigo ameaçador. Nesse mundo timbrado pela solidão e pelo isolamento, onde florescem as “amizades virtuais”, precisamos cultivar amizades verdadeiras, amizades que glorificam a Deus, edificam a igreja e abençoam a família!

Rev. Hernandes Dias Lopes – 1ª Igreja Presbiteriana de Vitória (ES)

Biblia

O tema da mensagem de hoje é a confiança em Deus. Na Bíblia Sagrada, lemos sobre a confiança no capítulo 3 do Livro de Provérbios: “Confia no Senhor de todo o teu coração e não te estribes no teu próprio entendimento. Reconhece-o em todos os teus caminhos e ele endireitará as tuas veredas. Não seja sábio aos teus próprios olhos, mas teme ao Senhor e aparta-te do mal” (v. 5-7).

Esse texto traz-nos algo de especial porque nos ensina que a confiança é uma oportunidade diária. Todos os dias temos a chance de tomar decisões, baseados não apenas no que julgamos correto, mas consultando Deus para tanto. De fato, há situações que nos forçam a buscar a direção e o conselho divinos. Há circunstâncias nesta vida que literalmente nos “empurram” para encontros com o Senhor.

Talvez você possa estar passando por isso. Pode ser, por exemplo, que tenha aplicado todas as suas economias na bolsa de valores e uma virada econômica não o deixe dormir; ou pode ser que tenha investido tudo o que possuía em um relacionamento que chegou ao fim e, desesperado e sofrendo, não encontre mais sentido na vida.

Não perca a oportunidade! Qualquer que seja o seu caso, ele é sempre oportuno para ensiná-lo a confiar em Deus, para impeli-lo a dobrar os seus joelhos e pedir luz e entendimento ao Senhor, e a paciência para superar o que está atravessando.

De fato, Deus faz uso dessas circunstâncias para que você compreenda melhor o que passa no seu interior; e para que, por meio da sua fragilidade, Ele próprio possa se revelar a você.

Mas cabe a você a entrega. É a sua parte olhar para Deus e convidá-lo a participar da sua vida, entregar-lhe os seus caminhos, aprender a se aproximar dele e confiar nele. Que esta palavra fique no seu coração.

Fique na paz,

Ap. Rina – Igreja Evangélica Bola de Neve (SP)

fazendeiro

“Tudo tem a sua ocasião própria, e há tempo para todo propósito debaixo do céu” (Eclesiastes 3:1).

Que bem faria, ao fazendeiro, ficar zangado com sua plantação por demorar mais a produzir as frutas do que ele imaginava que demoraria? Sua raiva de nada adiantaria. Não produziria nenhuma modificação em sua plantação. Ele não tem poder para apressar o amadurecimento das frutas. Da mesma forma que o fazendeiro põe em prática a sua paciência e longanimidade esperando pelo tempo certo da terra produzir o seu fruto, devemos nós esperar pela presença do Senhor.

Nós, seres humanos, somos muito apressados. Não sabemos esperar por nada. Qualquer atraso, seja do que for, nos irrita e tira a nossa paz. Queremos tudo na hora, ou até “para ontem” como muitos dizem. Esquecemos que a paciência é uma virtude, um dom divino, uma maneira de viver muito mais abundantemente.

Quando temos um sonho a realizar, queremos que aconteça na hora por nós determinada. Quando enfrentamos uma dificuldade qualquer, queremos que seja solucionada imediatamente. Não aceitamos nem alguns minutos a mais. Quando oramos pedindo uma bênção, cremos que ela virá no mesmo instante e, caso isso não aconteça, começamos a murmurar pelo descaso e indiferença de Deus.

Mas não deve ser desta forma. Assim como os frutos têm um tempo próprio para crescer e madurar, todas as demais coisas têm seu tempo determinado para acontecer. O nosso Deus é soberano. Ele sabe o tempo certo. Ele tem coisas maravilhosas para nós mas, não é dirigido por nossa vontade.

Se você está esperando com ansiedade uma bênção do Senhor, não desanime. Seja paciente que ela logo chegará.

 

Pr. Paulo Roberto Barbosa – I. B. em Vila Gerti – São Caetano do Sul (SP)