You are currently browsing the tag archive for the ‘esperar’ tag.

amanhecer1

As promessas do Senhor são confiáveis e infalíveis. Entretanto, muitas pessoas que enfrentam situações difíceis enquanto esperam que aquilo que Deus prometeu cumpra-se em sua vida, costumam perguntar: “Por que as promessas do Senhor não se realizam da maneira como desejamos, e no tempo que achamos ideal, propício?”. Elas não entendem porque às vezes as circunstâncias caminham na contramão das vitórias que Deus prometeu.

Quando você estiver passando por adversidades, lembre-se de que “todas as coisas contribuem juntamente para o bem daqueles que amam a Deus, daqueles que são chamados pelo seu decreto” (Romanos 8.28).

Mesmo que a vida delineie diante de você um panorama de adversidades, de contradições, de situações conflitantes e difíceis, mantenha-se firme na fé, jamais duvide das promessas e da fidelidade do Senhor.

Continue confiante no plano de Deus para sua vida, mesmo sentindo que uma forte ventania e uma grande tempestade o têm envolvido. De acordo com as promessas de Deus, era para estar soprando uma brisa suave. Mas não se deixe abalar. Se o vento é fortíssimo e atrapalha a sua caminhada, não se esqueça de que você tem promessas de Deus, e que Suas promessas não falham. Tudo o que está acontecendo agora é circunstancial, é momentâneo. As dificuldades cessarão.

Mesmo que você esteja debaixo da correção de Deus, não deve esquecer que o Senhor é bom, e que as suas misericórdias duram para sempre. O salmista Davi nos chamou a atenção para isto:

“Porque não passa de um momento a sua ira; o seu favor dura a vida inteira. Ao anoitecer pode vir o choro, mas a alegria vem pela manhã” (Salmos 30.5-6, ARA).

As promessas do Senhor são infalíveis. Espere com fé, pois Ele não se esqueceu de você. Em Isaías 55.8, o Senhor diz:

“Porque os meus pensamentos são mais altos do que os vossos pensamentos”. (Isaías 55.8)

As circunstâncias adversas que surgem antes que as promessas de Deus se cumpram têm que ser consideradas segundo a ótica de Deus, e não segundo a visão limitada do ser humano. Não sabemos nem temos a capacidade de pensar como Deus. Somente após uma entrega total de nossa vida a Jesus é que poderemos “ter a mente de Cristo” (1 Coríntios 2.16). Só então entenderemos porque a vontade de Deus prevalece acima das contradições da vida.

Pr. Silas Malafaia – Assembléia de Deus na Penha (RJ)

* Trecho da mensagem A vontade de Deus e as contradições da vida, pregada no 11º Congresso Pentecostal Brasileiro Fogo para o Brasil.

planta

Porque toda semente precisar morrer para gerar vida e frutificar

Todos nós, em algum tempo de nossa vida, já esperamos ou esperaremos por alguma coisa. Por um emprego, um amigo, uma cura, um casamento, um filho… Por mais que já tenhamos realizado inúmeros sonhos em nossa vida, muitos outros certamente virão. Sempre teremos a necessidade de algo novo, pois quanto mais temos, mais queremos. E nesse anseio, esperamos.

Esperar requer tempo – tempo este que nem sempre depende de nós e que muitas vezes não estamos dispostos a esperá-lo. Esperar requer fé, o firme fundamento das coisas que se esperam e a prova das coisas que não se vêem. Esperar requer, sobretudo, confiar em Deus que, muitas vezes, trabalha em silêncio.

Aqueles que entendem o propósito da espera são capazes de esperar com alegria a despeito do quão difícil isso seja, porque se fortalecem em Deus. Outros, no entanto, aprendem da maneira mais difícil, porque tentam “apressar Deus”, acreditam que podem ajudar Deus a agir, e o resultado é sempre desastroso.

A Palavra do Senhor nos revela, no Salmos 103.14, que ele conhece a nossa estrutura e sabe que somos pó. Somos tão frágeis! Você já viu como o dicionário define a palavra “pó”? Como “uma finíssima partícula de terra seca; qualquer coisa sólida que foi submetida a moagem, a trituração”. Assim somos nós: terra seca, sedenta de água, moídos e triturados.

Nessa nossa fragilidade, somos desafiados a esperar o tão sonhado emprego, o tão sonhado casamento, o tão sonhado filho. É por isso que há uma promessa maravilhosa nos Salmos 126 dizendo que quando o Senhor nos trouxe do cativeiro de volta a Sião ficamos como quem sonha, porque nossa língua se encheu de cantos de alegria e assim os povos diziam “grandes coisas fez o Senhor por nós e por isso estamos alegres”.

Nossa vida de espera, está debaixo da lei espiritual que diz que tudo aquilo que o homem semear, isto também ceifará (Gl 6.7). É uma questão de escolha. Se esperamos no Senhor, do Senhor receberemos. Se esperamos do mundo, do mundo receberemos. No entanto, Deus quer vivamos a promessa do Salmos 126, que diz: “Os que semeiam em lágrimas segarão com alegria. Aquele que leva a preciosa semente, andando e chorando, voltará, sem dúvida, com alegria, trazendo consigo os seus molhos.” (Salmos 126.5-6).

Temos que ser como sementes que, para brotarem, têm que morrer. Para brotar, a semente precisa crescer e se tornar uma árvore; precisa ser bem cuidada, necessita de água, de calor, de oxigênio, de elementos que darão a vida para que ela sobreviva, cresça e dê muitos frutos. Assim como a semente depende de alguém que cuide dela a fim de que ela cresça, assim também nós dependemos do Senhor – da sua luz, do seu calor, do seu sopro para crescermos e darmos frutos no tempo devido. Tudo é uma questão de tempo. A diferença entre nós e uma simples semente é que ela não tem vontade própria, ou seja, ela não tem como dizer ao seu Criador: “Não quero que você cuide de mim”. Nós, porém, temos esse poder de decisão. Quando esperamos algo de Deus, dizemos a ele: “Está demorando demais. Não quero que cuide de mim, posso me virar sozinho”. Nós buscamos isso, e isso é o que vamos colher.

Quais são as nossas condições hoje para recebermos a promessa? Será que estamos prontos para recebermos aquilo que Deus já reservou para nós? Você está preparado para colher os frutos da promessa? O que você fará depois com eles?

Muitos quando recebem uma bênção, se esquecem de Deus, de continuar buscando a presença dele, de forma intensa, quando o faziam no período de espera. Será que podemos dizer: “Senhor, muito obrigado por esta bênção. Continuo confiando em ti. Agradeço por continuar a confiar em mim!”?

É preciso morrer como a semente. Morrer para si mesmo e ter a esperança de colher os frutos no tempo devido. Morrer para o mundo, se ver como pó; crer e esperar que a bênção de Deus enriquece e não acrescenta dores.

Quem há de morrer para a própria vontade a fim de que se manifeste a glória e o poder de Deus?

Jaqueline Santos – Ministra de Louvor da Igreja Batista Ministerial da Família (SP)

deserto-2

Em que nos interessa a vida de Abraão?

 

Abraão é conhecido como pai da fé. Em Gl 3:6-9 lemos que ele creu em Deus, e isso lhe foi dado como justiça. Abrão viveu antes da lei, e é um protótipo da salvação pela fé que temos em Jesus.

Apesar disso podemos, ao examinar fatos de sua vida, perceber no próprio exemplo de Abraão o que pode atrapalhar a fé.

 

Lendo Gn 12 a 14 podemos conhecer os detalhes de suas experiências. Em Gn 12 está o chamado de Deus para ele. Deus mandou-o sair de sua terra e tomar posse de uma nova terra, e lhe fez uma promessa extraordinária: Ele seria pai de muitas nações.

 

Seu nome era Abrão (pai exaltado) e vai ser mudado para Abraão (pai de muitas nações).

Depois de já estar na terra, diz o texto (Gn 12:10) que houve fome ali, e ele desceu para viver no Egito. Ali, apesar de ter mentido sobre sua mulher, sai com acréscimo de bens, presente de faraó.

Em Gn 13:1-10 vemos que, após voltar, divide a terra com seu sobrinho Ló. Apesar de Ló ter escolhido a melhor região, Deus abençoou os rebanhos de Abrão e ele continuou a crescer. No capítulo 14, para salvar seu sobrinho, Abrão envolve-se numa luta contra os reis das circunvizinhanças, e sai vitorioso. Após essa vitória (Gn 14:17-10) ele tem um encontro com Melquisedeque, sacerdote, que o abençoa.

 

Todos esses fatos nos impressionam e diríamos: quem não gostaria de ser como Abraão, um homem vitorioso e cheio de fé?

No que a vida de Abraão nos interessa? Desejamos ser como ele e ter a fé que ele teve, mas julgamos isso impossível?

 

Mas Abrão era como nós!

 

Em Gn 15:1-7 (A aliança de Deus com Abraão) Deus começa se dirigindo a Abrão com as seguintes palavras: “Não tenha medo, Abrão!”

 

Por quê Abrão teria medo?

 

Onde há medo não há fé. O medo desqualifica a fé.

Deus fizera diversas coisas por Abrão: ele o defendera, multiplicara seus rebanhos, mostrara a ele a terra que prometera. Mas… a promessa de Deus ainda não se cumprira, Abrão ainda não tinha descendência… E tinha medo.

 

De onde viria esse medo?

 

Podemos observar que as mesmas experiências de vitória de Abrão foram as que demonstraram também suas fraquezas.

 

Quando houve fome, aparentemente Abrão não procurou socorro de Deus, mas foi para o Egito.

No Egito, escondeu que Sarai era sua esposa, para proteger sua vida, em vez de confiar que Deus o guardaria.

 

Abrão teve medo, pois lembrava de suas fraquezas, e talvez pensasse que não merecesse a promessa de Deus por causa delas. Quanto à sua descendência, talvez Deus não vá cumprir a promessa… “Só tenho um servo, Eliezer…” O Senhor ainda não me concedeu descendência, talvez por causa de meus fracassos.

 

Não temos nós também sentido esse mesmo tipo de medo que teve Abrão? Será que foi por causa de minhas fraquezas que Deus não fez? Será que minhas decisões erradas, pouca oração, infantilidade espiritual, enfim, minha humanidade não fez Deus mudar de idéia quanto a cumprir sua promessa?

 

As coisas do passado Deus já perdoou. Ele é fiel. Se tão somente nos arrependermos sinceramente e confiarmos em seu poder para mudar nossa vida, temos pleno perdão!

 

Nossa mente permanece ocupada pensando nas promessas que ainda não foram cumpridas. Deus demora a realizar. Talvez eu deva me contentar com menos do que isso… Talvez eu deva oferecer a Deus o meu Eliezer. Será que mereço o que Deus prometeu?

 

Abrão buscou respostas em sua própria sabedoria, mas a mão do homem não pode criar o que Deus quer fazer. Suas promessas são grandiosas e merecem apenas e tão somente a criatividade divina para realizá-las, talvez de maneira miraculosa, para que a glória seja dele e não nossa.

 

Abrão teme não merecer, e começa a diminuir sua expectativa sobre o que Deus prometeu.

 

No que nos parecemos com Abrão?

Buscamos respostas em nossa própria sabedoria para realizar as coisas que Deus quer fazer por nós. Ele demora, talvez tenha mudado de opinião em relação a mim. Mas a mão do homem não pode criar o que Deus quer fazer!

 

Achamos que perdemos a promessa (medo) por causa de nossas fraquezas e decidimos aceitar menos de Deus.

 

Não perguntamos a Deus, não queremos orar sobre as coisas. Achamos mais fácil pedir perdão depois do que pedir sua permissão antes.

 

Diminuimos nossa expectativa, pois a promessa de Deus parece ser demais, pensamos não merecer.

 

Mas nosso Deus não quer que aceitemos um plano menor que o dele, ainda que pensemos que não merecemos. Ele não mede por nossos merecimentos. Não devemos diminuir nossa expectativa sobre o que Deus fará. Não temos porque duvidar de seu amor e seu poder: Ele é fiel e certamente cumprirá sua promessa.

 

Reflita:

Você tem medo?

Algo que Deus prometeu parece demorar?

Você tem procurado alternativas para as promessas de Deus?

Você tem pensado que não vê a operação de Deus porque não merece?

 

Faça deste momento de reflexão um novo ponto de partida para sua vida com Deus e seu ministério. Aprenda a receber de Deus, esperar e continuar a confiando no que Ele prometeu.

 

Sueli Cajeron, baseada em palestra do Pr. Jack Hayford

Ap. Leo iniciou o 2º dia da Conferência Profética 2008

 

O louvor da tarde de ontem, terça-feira, dia 02 de dezembro, foi ministrado por Maurício Monteiro, produtor musical da Bola Music.

 

Na seqüência, foi à vez do Leonildo, o Ap. Leo (Igreja Apostólica O Libertador de Israel – SP), trazer as revelações de Deus para a nação brasileira. Ele começou a ministrar falando sobre fé diante das provas e usou como ilustração a vida de Abraão, a partir de Gênesis 15, e o seu período de espera.

 

 

leonildo

 

Deus procura por pessoas obedientes e fiéis, assim como Abraão que ficou conhecido como o “Pai da Fé”. Se Abraão tivesse deixado o desânimo e o tempo de espera tomar conta, ele não teria recebido e vivido as promessas de Deus. Para entrar na Terra Prometida lute contra a “ave de rapina”, que tenta lançar setas, pensamentos malignos, desânimo e desobediência às direções do Espírito Santo.

 

A palavra ainda exortou a todos a se desfazerem das coisas do passado, das coisas que Deus nos pede para nos desfazermos, como Abraão fez, foi obediente em todo o tempo.

 

 “Deus tem promessas para todos, mas as provas virão também para todos”, afirmou.

 

Fonte: Igreja Evangélica Bola de Neve (SP)

ansiedade

“Quem nunca sofreu de ansiedade que atire a primeira pedra.” Pois é, esta é uma realidade de todos nós cristãos. Quantas vezes nos pegamos em atitudes de ansiedade e falta de paciência em nosso dia a dia? Sempre preocupados com dinheiro, com nossos planos, com as pessoas ao nosso redor e por aí vai. Essa tal ansiedade nos atrapalha a viver.  Ela  pode ser explicada por uma série de fatores como, por exemplo:

– Não saber esperar; principalmente, não saber esperar em Deus.

– Não ter paciência.

– Não compreender que tudo tem um tempo determinado para acontecer.

– Não saber usufruir o tempo de espera como um instrumento de crescimento etc.

Nós seres humanos sentimos muitas dificuldades em saber esperar. Quando estávamos no mundo e não reconhecíamos o senhorio de Cristo, por exemplo, é certo que nos acostumamos mal. Na maioria das vezes fazíamos o que queríamos na hora que queríamos. Mas quando uma pessoa aceita a Jesus é preciso que ela aprenda a saber esperar o tempo de Deus para todas as coisas. E isso gera um desgaste emocional muito grande, uma vez que não estávamos acostumados com situações assim.

Amados, falo isso por mim mesma. Como vários de nós enfrento a situação de não saber esperar. Não sei para vocês, mas para mim um agravante que sempre gera em mim ansiedade é a cobrança da sociedade que exige de nós atitutes quase que instantâneas no viver diário. Muitos não sabem que temos um tempo certo de aprendizado e de desenvolvimento. Mas temos um consolo: Deus sabe disso. Ufa! Ainda bem, né?

Um outro fator, que para mim seja talvez o mais importante deles, é que quando estamos ansiosos caímos no que chamo de: “desconfiar de Deus”. Quando falo isso quero dizer que deixamos os nossos pensamentos e atitudes passarem à frente de Deus. Muitas vezes o Senhor está trabalhando em nosso favor e aí nos desesperamos e tomamos atitudes contrárias das que Deus espera que tenhamos ou em outras situações não absorvemos o que Deus quer nos ensinar.

Tenho aprendido que esperar é um treinamento para a vida. É um tempo de aprendizado. Outro dia estava na reunião de células de namorados que frequento e eu e os meus irmãos compartilhávamos exatamente sobre como esperar pelo que ansiamos tanto: Aí uma de nossas irmãs nos falou algo que serviu para refletir. Ela disse que lendo o livro, “O campo de batalha da mente”, de Joyce Meyer, se deparou com um capítulo que ensinava como utilizar o tempo de espera ao nosso favor. Ela então nos aconsellhou a ler este livro. Bem, como eu tenho o livro, logo que eu cheguei em casa dei uma espiadinha no tal capítulo.

Tem uma frase que Joyce escreveu que me cativou, pelo menos era perfeita para a situação pela qual eu passava. Dizia assim: “Paciência não é a habilidade ou capacidade de esperar, é a capacidade de ter uma atitude sábia enquanto esperamos”. Esta frase me despedaçou, pois compreendi que estava desperdiçando o tempo que Deus estava me dando para crescer espiritualmente com minhas atitudes precipitadas. Durante o tempo em que esperamos o que Deus preparou para nós, precisamos buscar compreender o que ele quer nos ensinar para que assim possamos usufruir as bênçãos com responsabilidade e consciência de sempre fazer a coisa certa.

Confiar em Deus, confiar em Deus e confiar em Deus! Esta é a chave do sucesso. Não murmurar, não murmurar, não murmurar! Este é um tiro certeiro na cabeça do diabo. Quando esperamos glorificando a Deus, não ficamos ansiosos, pois sabemos que o Pai está no controle de tudo e não abrimos brecha para que os nossos inimigos possam jogar setas e nos tentar. Portanto, sede fortes, pois Jesus diz:“Não andeis ansiosos pela vossa vida, quanto ao que havéis de comer ou beber; nem pelo vosso corpo, quanto ao que haveis de vestir. Não é a vida mais do que o alimento, e o corpo, mais do que as vestes? Qual de  vós, por ansioso que esteja, pode acrescentar um côvado ao curso de sua vida?” (Mt 6.25).

No livro de Eclesiastes, o Senhor nos fala claramente sobre como há um tempo específico para que tudo aconteça em nossas vidas. “Tudo tem seu tempo determinado, e há tempo para todo propósito debaixo do céu: há tempo de nascer e tempo de morrer; tempo de plantar e tempo arrancar o que se plantou […}” É isso! Se nós compreendermos estes versículos conseguiremos levar nossa vida com mais tranquilidade. Sei que não é uma tarefa fácil. Saber esperar é exercitar nosso domínio próprio e dizer para as nossas emoções que fiquem calmas e serenas. Mas tudo é possível quando confiamos em Deus e esperamos nele.

A vontade de Deus é boa, perfeita e agradável. Então, mãos à obra!

Que o Senhor lhe sustente em sua busca pelo aperfeiçoamento!

Por Vanessa Freitas (Lagoinha.com)

stop1

“O homem paciente dá prova de grande entendimento, mas o precipitado revela insensatez”. (Pv 14:29)

 “Não é bom ter zelo sem conhecimento, nem ser precipitado e perder o caminho. É a insensatez do homem que arruína a sua vida.” (Pv 19.2 e 3)

“Não seja precipitado de lábios, nem apressado de coração.” (Ec 5.2)

Pessoas na Bíblia que por causa da precipitação bagunçaram suas vidas e as vidas das outras pessoas também:
Verdadeiramente toda a Escritura é útil para que o homem de Deus seja apto e plenamente preparado para toda boa obra. Como são felizes os que andam em caminhos irrepreensíveis, que vivem conforme a lei do Senhor e obedecem aos seus estatutos. A Palavra de Deus é o manual de vida para nós cristãos (pequenos cristos), e sobre um texto nela inserido quero meditar.

1. Adão e Eva se precipitaram porque se deixaram levar pelo desejo descontrolado
Gênesis 3.6

2. Moisés se precipitou porque resolveu fazer justiça com as próprias mãos
Êxodo 2:11 – 14 – Hebreus 10:30, 31 – Tiago 3:18

3. Sara se precipitou porque gerenciou o problema do seu jeito
Gênesis 16:2

4. Jonas se precipitou tomando a decisão da fuga
Jonas 1:3

5. Pedro se precipitou ao se deixar levar pelo seu ímpeto emocional
João 18:10.

6. Ananias e Safira se precipitaram ao se deixarem seduzir pelo amor ao dinheiro.  Atos 5.1- 5

Salomão com sua sabedoria peculiar declarou que o precipitado revela insensatez. Disse também que é melhor encontrar uma ursa da qual roubaram seus filhotes do que um tolo em sua insensatez.

A precipitação é um mal a ser batido assim como a ansiedade. O homem precipitado não sabe esperar em Deus, caminha em direção à ruína e demonstra falta de confiança e fé no SENHOR a ponto de NÃO aguardar o SEU agir. E todo aquele que toma a frente de Deus é mesmo insensato. A precipitação é um atropelo sobre a paciência. É uma atitude impensada, movida na maioria das vezes pelas circunstâncias. Muito melhor é esperar no SENHOR, mas sem o fruto do Espírito a vulnerabilidade é fatal e a precipitação fica à espreita só aguardando o momento de entrar em ação.

Saul é um exemplo bíblico daquilo que a precipitação é capaz de fazer. Diz a Bíblia que Saul havia sido ungido rei e recebido algumas instruções do profeta Samuel: “Vá na minha frente até Gilgal. Depois eu irei também, para oferecer holocaustos e sacrifícios de comunhão, mas você deve esperar sete dias, até que eu chegue e lhe diga o que fazer”. (I Sm 10:8) – Mas na frente, no capitulo 13, olha o que acontece: Os filisteus haviam se reunido para lutar contra Israel e quando os soldados israelitas viram que a peleja ia ser ferrenha fugiram para buracos e cavernas. Saul estava em Gilgal e os soldados que estavam com ele tremiam de medo. Já haviam se completado os sete dias e Saul esperava Samuel, até que os soldados começaram a dispersar devido ao medo e Saul então resolveu oferecer o holocausto. Diz a Bíblia que quando Saul acabou de oferecer holocausto, Samuel chegou e disse: “Você agiu como um tolo, desobedecendo ao mandamento do SENHOR, o seu Deus, lhe deu; se você tivesse obedecido, ele teria estabelecido para sempre o seu reinado sobre Israel”.

(I Sm 13: 5-13) – A precipitação de Saul lhe custou caro. Um ato precipitado jogou pelo ralo o seu ministério. Saul perdeu o reinado, mas o que eu e você podemos perder ao agirmos com precipitação?

1. Perdemos a oportunidade de contemplar a perfeita e soberana vontade de Deus em nossas vidas;
2. Perdemos a oportunidade de exercer o domínio próprio e a paciência, e sermos aprovados por Deus;
3. Perdemos a chance de discernir que o tempo de Deus não é o nosso tempo;

4. Perdemos a oportunidade de contemplar o milagre através da nossa fé;
5. Perdemos a chance de declarar com nossas atitudes o quanto confiamos no SENHOR.

Não sejamos precipitados e, sim, pacientes. Como Tiago disse: “Sejam pacientes até a vinda do Senhor. Vejam como o agricultor aguarda que a terra produza a preciosa colheita e como ESPERA com PACIÊNCIA até virem as chuvas do outono e da primavera”. (Tg 5:7)

Deus nos livre de toda precipitação. Esperemos no SENHOR.

Pr. Neuber Lourenço  Igreja Batista da Orla de Niterói

DICAS:

Jamais tome decisões permanentes por causa de acontecimentos passageiros.
O fracasso tem como cúmplice a impaciência.
A vida cobra altíssimos dividendos àqueles que não têm coragem de enfrentá-la.
A precipitação geralmente conduz ao erro.
O que me causa mal não é o que me fazem ou o que me acontece, mas a minha própria reação ao que me fazem ou ao que me acontece.
O ser humano sem esperança procura um porto que não existe em nenhum lugar.
Quando agimos confiados em nós mesmos, quase sempre colhemos frutos desastrosos.
Como qualquer outra dor, a dor da alma é um alerta de que algo está errado.
A boa nova é que esta advertência indica que o que está errado pode ser concertado.
O que fortalece o medo são as palavras; não aquelas que as pessoas nos dizem, mas as que repetimos a nós mesmos.
A culpa é a refinada técnica de tortura de si mesmo, até que você confesse.
Nunca é tarde demais para recuperar-se de um erro.
O único fracasso absoluto é parar de tentar
A fé é um instrumento de sobrevivência.
Obstáculos e aflições não são eternos.
Acorde a vitória nas asas da oração.
Em todo fracasso existe uma fresta para se olhar o céu.

(Frases contidas no livro:Transformando Lágrimas em Vinho – Pr. Silmar Coelho)

felicidadeGênesis 22.

Quando alguém tem intimidade com Deus, conhece a Deus, mesmo que Ele peça algo estranho, que contrarie seus projetos e sonhos, essa pessoa sabe que é a voz dEle e sabe, também, que Deus nao falhará com suas promessas.

Vers. 2: “E disse: Toma o teu filho, o teu único filho, Isaque a quem amas, e vai até a terra de Moriá e oferece-o ali em holocausto sobre uma das montanhas que te direi.”

Abraão poderia pensar: “Isso não á a voz de Deus; Ele não me pediria isso; O filho que Ele me prometeu; o filho da promessa”

Ou quem sabe, Abraão passou a noite em claro relembrando o momento em que tomou nos seus braços aquele filho que ele tanto esperou.

Relembrou os momentos de choro da criança; o rosto angelical dela enquanto dormia em seus braços; o beijo; o abraço que em certos momentos aquele filho lhe deu; talvez momentos em que ele olhava para aquela criança todos os dias e, naquele momento, eu imagino que abraão olhava para o céu e agradecia:

“Muito obrigado Deus! Porque o Senhor prometeu e cumpriu”

O interessante nesta palavra é que Abraão não discute com Deus. Ele não tenta arrumar um jeitinho para sair dessa situação… ele apenas cumpre.

Deus, quando fez este pedido a Abraão, não fez porque era um Deus mal, antes, Ele sabia que Abraão amava àquele rapaz com todas as suas forças.

Abraão não sabia qual era o plano de Deus, mas obedeceu àquilo que o Senhor pediu, porque ele sabia o Deus a quem ele servia e que por mais difícil que fosse a prova, Deus estava no controle.

Talvez na sua vida você enfrenta momentos em que tudo está num mar de rosas, tudo tranquilo, so vivendo as promessas. Ae, derrepente, tudo vira de ponta cabeça e você diz:

“Meu Deus! Por quê? O Senhor me prometeu que eu seria próspero, então por que fui despedido?”

“O Senhor prometeu que eu iria casar, então por quê o noivado “de tantos” terminou?”

“Por que esta luta? Este problema? Esta enfermidade?”

Abraão foi naquela estrada com o seu filho sabendo que a ordem de Deus era de sacrificá-lo. O que será que se passava na cabeça de Abraão naquele momento?

Ele poderia dizer: “Isaque. Vamos embora! Não quero mais saber deste Deus!”

Ele poderia ter reclamado, zombado, murmurado, poderia ter tomado várias atitudes, porem ele, simplesmente, obedeceu. Isaque ve a lenha preparada, tudo já arrumado para o sacrifício; o fogo ardendo, então ele pergunta:

“E agora papai… aonde está o cordeiro?”

E mais uma vez, em outras palavras, Abraaão revela que sabe o Deus que tem, entao diz a Isaque:
“Deus proverá.”

No momento que ele se prepara para sacrificar o seu filho, Deus se revela à ele; no versículo 12 a Palavra diz que o anjo do Senhor fala com ele:

“Não faça nenhum mal a teu filho. Porque agora sei que temes a Deus…”

E continua dizendo no versículo 15:

“Porquanto fizeste esta ação e não negaste o teu filho, Eu te abençoarei, multiplicarei a sua descendencia e todas as nações serão benditas em ti… porque obedeceste a minha voz…”

O que Deus tem pedido a você que tem sido difícil de suportar?

O que você está passando neste momento e que você ora e diz: “Meu Deus acho que não vou aguentar.”

Muitas vezes olhamos para cima, num dia chuvoso e parece que está tudo escuro. Não é assim?

Porém, se você pegar um avião e ultrapassar as nuvens lá em cima, o Sol continua a brilhar

Pode ser que você olha para a sua situação e enxerga a mesma coisa, tudo escuro; porque Deus fez isso, porque Ele permitiu, não tem mais jeito…

E Ele olha lá de cima e só está esperando que você acredite que se Ele prometeu, não imporata o que aconteça, basta você seguir o que Ele lhe pede.

Basta você confiar em Deus pois a promessa vai se cumprir no momento em que você se entregar totalmente à Ele e mostrar a sua confiança nEle.

Ele proverá tudo aquilo que você precisa…

Deus é fiel… Deus proverá..

Pr. Flávio Simões – Assembléia de Deus do Bom Retiro (SP)

Quando eu leio os Salmos uma das coisas que mais me chama a atenção é como nós somos encorajados, vez após vez, a colocar toda a nossa esperança em Deus, porque dEle vem o nosso auxílio e a nossa salvação.

Talvez, porque seja uma tentação muito grande, para todos nós, colocarmos a nossa esperança em algo ou em alguém.

Parece que estamos sempre esperando que algo diferente nos aconteça ou que alguém apareça e venha nos ajudar ou socorrer. Bom, isso é muito comum e humano. Ainda mais quando somos bombardeados, pela mídia, com imagens e histórias que nos sugerem isso a maior parte do tempo. 

A questão, porém, é que isso não cura a nossa ansiedade, os nossos medos, a nossa tristeza e nem a nossa angústia; pelo contrário, só os aumenta.

É aí que eu vejo o salmista me encorajando, enquanto encoraja a si mesmo, a colocar toda a sua esperança e expectativas, não em que algo super especial aconteça para mudar a sua vida, a sua história e o seu estado de ânimo, ou, mesmo, que alguém surja no meu caminho para trazer um novo sentido para as coisas; mas, sim, a colocar a minha esperança em Deus, em Seu amor, favor e bondade. 

As pessoas podem ser minhas amigas e isso é bom, mas elas não podem ir além do que qualquer ser humano pode ir. Elas podem até mesmo me amar e me querer muito bem, mas elas tem seus próprios limites e fraquezas.

Até os jovens se cansam e ficam exaustos, até eles tropeçam e caem, mas os que esperam no Senhor, diz a Bíblia, renovarão as suas forças. Ou como disse o profeta: “Não há outro Deus além de ti que trabalha para os que nEle esperam”.  Pare e pense sobre isso.

Esperar em Deus é a escolha de quem sabe que o homem pode e deve trabalhar edificando e construindo, mas se o Senhor não for o grande edificador e construtor,  tudo é em vão. É a escolha de quem sabe que a sentinela pode e deve vigiar a cidade, mas se o próprio Senhor não vigiá-la, tudo é em vão.

Nós trabalhamos, semeamos, estendemos as mãos, investimos, vigiamos, servimos, fazemos o que é nossa responsabilidade fazer; mas o toque que dá vida a tudo é o toque de Deus. Como disse Jesus: “Sem mim nada podeis fazer”.

Como diz o hino que Paulo Brito canta: “Se vens, o nada em tudo se transforma”. Ou como disse o salmista: “Elevo os meus olhos para os montes. De onde me virá o socorro? O meu socorro vem do Senhor que fez os céus e a terra”.

É aí que eu encontro, vez após vez, nos Salmos, expressões como: “Eu espero em Deus. A minha alma o aguarda. Eu espero na Sua Palavra”.

Eu espero em Sua graça e em Seu favor que não se compra, que não se merece e nem se conquista. Espero, como escreveu o salmista, até que Ele tenha misericórdia de nós. Porque não depende de quem corre e nem de quem quer, como escreveu Paulo, mas de Deus usar de miserícórdia. Porque tudo que eu recebo dEle é fruto do Seu amor que foi provado na cruz quando Jesus entregou Sua vida em nosso lugar.

É por isso que o salmista diz para a sua própria alma aflita, perturbada e ansiosa: “Coloque toda a sua esperança em Deus. Ele é o teu Salvador e o teu Deus”.

Esperança não é uma palavra muito usada em nossos dias. Mas é o oxigênio da nossa fé. Porque a fé é a certeza das coisas que se esperam. E os únicos três dons que vão permanecer para sempre são a fé, a esperança e o amor. Não esperança em algo ou em um ser humano, mas em Deus, em Jesus e em Sua Palavra.

Que tal colocarmos toda a nossa esperança no Senhor? Mesmo quando a alma está aflita, mesmo quando o dia foi difícil, mesmo quando o coração aperta e você sente vontade de chorar, mesmo quando você não encontra as respostas ou sabe qual o caminho que deve seguir. É uma escolha que só você e eu podemos fazer.

É a escolha de falar com Deus e dizer: “Senhor, eu espero em Ti. A minha confiança está em Ti. Eu dependo de Ti”.

Que tal fazer isso, hoje?

Pr. Paulo Cardoso

ATOS 9:26-30
 
Vamos conhecer um lugar onde nenhum cristão gosta de ficar.
A sala de espera de Deus existe você gostando ou não, você querendo ou não.
E em algum momento da sua vida você terá de estar lá. Ela existe para aprendermos a confiar e esperar Nele.
Hoje estão nessa sala pessoas que já estiveram na linha de frente, que fizeram sacrifícios, que trabalharam duro, mas foram para a prateleira e estão esperando algo acontecer.
É difícil não desanimar diante dessa situação, nos sentimos num quarto escuro sem nenhuma lanterna, você se sente estagnado e quanto mais o tempo passa com menos vontade de esperar ficamos.
Você começa a acreditar que por algum motivo Deus te esqueceu. Por quê?
Por que Deus não se lembra mais de mim? Por que estou passando por tanta luta e Deus não escuta minhas orações?
 
Saiba que Deus não se esqueceu de você.
A espera é um instrumento de Deus, é um método que o Senhor usa para preparar pessoas especiais para grandes projetos.
A sala de espera acaba se tornando algo muito complicado, pois não é o que idealizamos.
Pois queremos mudança com velocidade, e muitas vezes nossas orações são assim.
Se esperar é tão contra a natureza humana, porque esperamos? Porque Deus no tempo de espera nos prepara.
Quando Deus deseja te preparar, Ele te faz esperar.
Na sala de espera, debaixo da sombra de Deus nos somos moldados para os anos em que Ele nos usará. Deus vai te usar.
Ao contrário de espera, a pressa está em nosso vocabulário muito mais do que no de Deus.
 
Observando a palavra de Deus, notamos que existem muitos versículos que nos ensinam a esperar em Deus:
 
Salmo 27:14
Espera no SENHOR, anima-te, e ele fortalecerá o teu coração; espera, pois, no SENHOR.
 
Salmo 37:7
Descansa no SENHOR, e espera nele; não te indignes por causa daquele que prospera em seu caminho, por causa do homem que executa astutos intentos.
 
Isaias 49:23
E os reis serão os teus aios, e as suas rainhas as tuas amas; diante de ti se inclinarão com o rosto em terra, e lamberão o pó dos teus pés; e saberás que eu sou o SENHOR, que os que confiam em mim não serão confundidos.
 
Oséias 12:6
Tu, pois, converte-te a teu Deus; guarda a benevolência e o juízo, e em teu Deus espera sempre.
 
Atos 9:26-30 
Após sua conversão, Paulo chega a Jerusalém, mas todos o temem, pois não acreditam que ele é discípulo, então Barnabé o apresenta aos apóstolos.
Barnabé relata todas as experiências de Paulo e como em Damasco ele falava com ousadia no Nome de Jesus (vs.27)
Paulo tem um encontro com Deus, sai pregando o evangelho e tem sede de salvar vidas e por isso os Judeus procuravam matá-lo.
 
Os apóstolos sabendo disso enviam Paulo para a cidade de Tarso.
Paulo esta na sala de espera de Deus. Enquanto isso uma grande perseguição é desencadeada devido a morte de Estevão e os cristãos se dispersam, esse fato gera um grande mover missionário na Igreja de Jesus Cristo.
 
Barnabé era homem de bem e cheio do Espírito Santo e de fé, através da vida dele muitas pessoas vieram para Jesus.
Em meio a esse mover o evangelho chega a Antioquia onde a Igreja cresce rapidamente e Barnabé vê a necessidade de ter ao seu lado alguém maduro e preparado para ajudá-lo na difícil tarefa de cuidar da Igreja.
 
Paulo está em Tarso, em total anonimato e obscuridade. Ninguém lembrava de Paulo.
Imagine como foi difícil para Paulo passar por esses momentos. Ele não ficou na sala de espera por um, dois ou três dias, ele permaneceu nela por 6 anos.
Quando estava na fase mais produtiva da sua vida, Deus o tira de cena.
 
Mas o que Paulo fazia na sala de espera de Deus?
Ele estava crescendo, aprendendo e sendo formado por Deus.
 
O que eu faço enquanto estou na sala de espera  de Deus?
Devemos ser pacientes e assimilar o trabalho Dele, pois a paciência é uma virtude.
A paciência é essencial na vida do cristão.
 
O impaciente sempre age por ímpeto, deixa de viver as promessas porque atropela o tempo de Deus. Eles sempre deixam de lado os propósitos de Deus.
Se você sai da sala de espera e volta é pior, porque você volta para o final da fila.
Se você quer viver a promessa de Deus precisa ser paciente porque a sua vez vai chegar.
 
Lembre-se só se cultiva a paciência com longos períodos de espera.
Se formos pacientes toda essa espera vai fazer sentido.
Nesse tempo Deus vai polir suas habilidades, vai te adestrar, porque se Ele prometeu há de cumprir.
 
Nesse tempo de espera devemos nos aprofundar nas coisas de Deus. É um tempo para crescer como cristão, como homem.
 
É um tempo também para se dedicar a oração, buscar a presença de Deus, ouvir a direção que Ele tem para você.
Nesse tempo se deixe treinar, se aperfeiçoar.
 
Em Tarso enquanto estava na sala de espera de Deus, Paulo vive o sobrenatural.
 
2 Cor 12:2-4
Conheço um homem em Cristo que há catorze anos (se no corpo, não sei, se fora do corpo, não sei; Deus o sabe) foi arrebatado ao terceiro céu.
E sei que o tal homem (se no corpo, se fora do corpo, não sei; Deus o sabe).
Foi arrebatado ao paraíso; e ouviu palavras inefáveis, que ao homem não é lícito falar.
 
Esse é um tempo de busca, de andar com Deus, de se encher de sabedoria e de dons, pois se você se deixar moldar, Deus vai além.
Ele quebra suas vontades, Ele faz você lembrar quem realmente é, assim como fez com Paulo, colocando um espinho em sua carne. (2 Cor 12:7)
Na sala de espera aprendemos a ser humildes e administrar as revelações proféticas e apostólicas que Ele nos dá.
 
Deus resiste à soberba. Você acha que Deus vai te resistir?
Nesse período Deus estava usando Pedro e Barnabé. Paulo, porém esperou a vez de Deus na sua vida. Ele não quer ver ninguém caído.
 
Nesse tempo de espera você vai se tornar uma pessoa mais profunda. A superficialidade é o grande mal dessa geração. As pessoas estão deixando de se aprofundar.
Precisamos hoje não de pessoas mais ousadas ou dispostas, precisamos de pessoas mais profundas.
Pessoas superficiais não causam impacto algum, elas não têm essência e acabam banalizando o que é santo. Esse tipo de pessoa não cria raiz em nada.
Pessoas profundas agregam valor à sociedade, elas sempre têm uma palavra, nunca se deixam paralisar pelo inferno porque sabem que são de Deus.
 
Se você quiser ser usado por Deus terá de ser uma pessoa mais profunda.
 
Deus nos aprofunda por meio do tempo que passamos esperando Nele.
Deus não chamou seus filhos para viverem na sala de espera.
O tempo de Deus é perfeito e logo vai chegar sua vez.
O Senhor te aguarda.
 
Paulo no tempo de Deus foi chamado para produzir para o reino.
 
Romanos 8:25
Mas, se esperamos o que não vemos, com paciência o esperamos.
 
2 Cor 12:10
Por isso sinto prazer nas fraquezas, nas injúrias, nas necessidades, nas perseguições, nas angústias por amor de Cristo. Porque quando estou fraco então sou forte.
Os ensinamentos de Paulo foram os mais profundos, ele teve visões do reino, que fizeram a diferença. Longe da agitação ele recebeu novas revelações sobre a Igreja, sobre a graça de Deus.
 
Sua vez vai chegar, não abandone a sala de espera.
Na sala de espera não dá para se rebelar. Ou você senta e espera ou nunca verá o que Deus tem para a sua vida.
 
Fique firme, sua hora vai chegar e você viverá o plano de Deus para a sua vida.
 
Deus abençoe!
Ap. Rina – Igreja Evangélica Bola de Neve

“NÃO ANDEIS ANSIOSOS PELO AMANHÃ; BASTA CADA DIA O SEU PRÓPRIO MAL”. Mateus 6:34

Em alguns momentos, temos a impressão de que Deus está muito distante como se estivesse indiferente ás nossas necessidades, sem pressa alguma em nos atender. Surge, a partir daí, uma tensão, entre a nossa pressa e a aparente demora de Deus. O resultado, não raro, é a sensação de abandono, de agonia e de impotência total.

Há três reflexões que precisamos fazer nessas ocasiões.

A primeira, Deus não tem pressa!

O agir de Deus como Senhor do tempo, da vida e da história é na exata medida de sua precisão. Ele é perfeito em tudo que faz. A pressa é própria do homem. Nossas neuroses não combinam com a paciência de Deus, sendo sempre bom lembrar que a nossa pressa não altera a ordem natural das coisas. O fluxo da vida é como o leito de um rio, que corre sozinho, sem pressa e ninguém consegue apressá-lo.

Em segundo lugar, a aparente demora de Deus deve ser entendida por nós como um tempo pedagógico.

Enquanto esperamos, Ele nos está ensinando algo. Muitas vezes, é na expectativa da espera que encontramos tempo para um mergulho em nossa interioridade mudamos nossas percepções, refletimos sobre nossos valores, sentimentos e prioridades. Esperar origina uma forma de aprender. Quando esperamos por Deus, estamos aprendendo com ELE.

Uma terceira reflexão que deparamos no espaço do tempo entre a procura e a resposta, é que na vida nada melhor que um dia após o outro.

O tempo sempre nos traz á luz àquilo que não conseguimos enxergar de imediato, porque a pressa encobre nossa visão. Conseqüentemente, a paciência produz a experiência, e a experiência nos conduz a esperança. Quem quiser colher frutos no futuro, precisa aprender a plantar esperança e paciência. Logo, por que apressar o rio se ele corre sozinho e naturalmente?

A cultura do imediato, das respostas prontas, da comida rápida e das demais neuroses que a sociedade moderna nos impõe, acaba roubando de nós a paciência, uma das virtudes mais indispensáveis para quem quer viver uma vida melhor, e colher os frutos de um amanhã salutar.

A vida desenvolve uma contínua construção, sempre inacabada, que exige repensar valores, vivênciar novos sentimentos, aprender novas lições, conquistar novos espaços e vislumbrar novos horizontes. A vida é pedagogia pura. Ela é um aprendizado forjado nas lições do cotidiano.

Deixemos, pois, que cada dia dê conta de si mesmo, e que despeje suas águas turvas, cheias de mazelas e tensões, sempre ao pôr do sol. Tenhamos sempre em mente que Deus está no controle de tudo inclusive do tempo.

Porque, então apressar o rio? Siga o conselho de Jesus, o Mestre da vida: “Não andeis ansiosos pelo amanhã; basta a cada dia seu próprio mal”.

Deus não tem pressa! Nós é que não sabemos viver. Espere em Deus, lance sobre Ele todas as suas ansiedades porque é Ele quem cuida de nós. Respire fundo e entregue a Deus nesta manhã aquilo que mais te angustia, que mais te preocupa, e então sentirás um grande alívio em seu coração, e conseguirá novamente viver e sorrir.

Apóstolo Estevam Hernades – Igreja Renascer em Cristo.