You are currently browsing the tag archive for the ‘Espírito Santo’ tag.

fogueira

Eu moro no nordeste. Para muitas pessoas aqui, Junho é o mês de São João. Maria, a mãe do nosso Senhor Jesus Cristo e Isabel eram parentes (Lc 1:36). Segundo a tradição, elas combinaram para que, quando o filho de Isabel nascesse, esta ascenderia uma fogueira para avisar a Maria. Daí surgiu a tradição das fogueiras na véspera de São João. O filho que nasceu a Isabel foi aquele conhecido como João Batista.

Hoje, curiosamente, devido à proximidade do feriado de São João com o de Corpus Christi, muitos resolvem “trocar” o feriado de Corpus Christi pelo de São João. Ou seja, ao invés de separar um dia para comemorar Corpus Christi, uma data designada para lembrar a instituição da eucaristia, comemoram uma data mais festiva, a de São João.

Alguns podem alegar com toda razão que nenhuma das datas consta nas Escrituras e portanto não devem ser nem reconhecidas. Mas, outros respeitam e separam um tempo especial para estes dias. Talvez nem devíamos ligar. Ou talvez poderíamos aproveitar a oportunidade para lembrarmos a nós mesmos e aos nossos próximos que, por trás de feriados e datas e nomes de santos, haviam personagens verídicos, com histórias de grande importância para nós hoje. O que será que o próprio João Batista, o “São João”, teria pensado? Como era o São João da Bíblia?

A missão de João foi prevista em profecia (Mt 3:3; Isa 40:3; Mal 3:1) e seu nascimento anunciado por um anjo (Lc 1:13-17). Ele era cheio do Espírito Santo desde antes que nasceu (Lc 1:15). Como adulto, João pregou com poder, sendo ouvido por multidões que se arrependeram e foram batizadas (Mc 1:4-5). O próprio Jesus pediu para ser batizado por João (Mt 3:13) e afirmou que “entre os nascidos de mulher, ninguém apareceu maior do que João Batista” (Mt. 11:11).

Apesar de tudo isso, João reconheceu que por maior e mais importante que sua missão fosse, ele seria ultrapassado por Jesus. Ao se comparar pessoalmente a Jesus, ele afirmou “Convém que ele cresça e que eu diminua.”

João falou assim de Jesus:
“Após mim vem aquele que é mais poderoso do que eu, do qual não sou digno de, curvando-me, desatar-lhe as correias das sandálias.” Mc 1:7
Quando Jesus quis ser batizado por João, João respondeu: “Eu é que preciso ser batizado por ti, e tu vens a mim?” Mt 3:14
…viu João a Jesus, que vinha para ele, e disse: “Eis o Cordeiro de Deus, que tira o pecado do mundo! É este a favor de quem eu disse: após mim vem um varão que tem a primazia, porque já existia antes de mim.” João 1:29-30
“Convém que ele cresça e que eu diminua. Quem vem das alturas certamente está acima de todos; quem vem da terra é terreno e fala da terra; quem veio do céu está acima de todos” João 3:30-31

A profecia a respeito de João focalizou a coisa mais importante que ele seria e faria: “Voz do que clama no deserto”. João proclamou a vinda de Jesus. Ele anunciou a missão de Jesus. Ele não gastou seu tempo e energia falando de si ou de sua missão. Ele se concentrou naquele que era mais importante – Jesus. Alguém disse “João foi apenas uma voz, mas ainda podemos ouvir o som daquela voz ecoando pelos corredores dos séculos.”

O que aquela voz anunciou ainda precisa ser anunciado hoje. O mundo precisa ouvir ainda que Jesus é o Cordeiro de Deus, que tira o pecado do mundo, que há uma esperança e que a morte não é o fim das nossas vidas.

Nos anos ’50 o famoso evangelista W.E. Sangster descobriu que tinha uma doença incurável, que causava atrofia muscular progressiva. Seus músculos iriam aos poucos atrofiar e ele perderia sua voz. Sangster se entregou ao máximo no seu trabalho de missões domésticas na Inglaterra.

Mas, aos poucos sua voz acabou por completo. Tremendo, ele ainda conseguia segurar uma caneta. Na manhã de seu último domingo de páscoa, poucas semanas antes de falecer, ele escreveu um recado para sua filha.

Na mensagem ele escreveu, “É terrível acordar no domingo de Páscoa sem voz para proclamar “Ele ressuscitou!”. Porém, mais terrível ainda seria ter uma voz e não ter nada para proclamar.”

Ao lembrarmos “São João” nesta época do ano, podemos não ter muita eloqüência ou posição de destaque. Podemos estar apenas num lugar humilde e com poucos recursos. Mas, a maioria de nós temos tudo que João tinha – o conhecimento de quem é Jesus e o que Ele fez por nós – e uma voz para anunciar. Que sejamos fiéis naquilo que o Senhor nos deu e aonde ele nos colocou, vozes proclamando a Jesus Cristo, ainda que no deserto.

Dennis Downing

(http://www.iluminalma.com.br/vec/0906/24-sao_joao.html)

gps

Antes de ontem eu e meu sócio  fomos fazer uma visita em uma casa no bairro da pampulha, aqui em BH. Só que estávamos em contagem e como estavamos com GPS colocamos o endereço da casa dessa pessoa e fomos tranquilamente.

Tranquilamente nada..passamos por umas 3 bocas de fumo! Eu sinceramente vi a mão de Deus por ter nos livrado viu! Agora dou até risada do acontecimento. Teve uma hora que desistimos do GPS e fomos por intuição própria (?) para o lugar. Chegamos vivos sim, glória a Deus.

O crente tem um tal de GPS que não falha! Ele se chama Espírito Santo, ou carinhosamente apelidado por mim de plim plim gospel. Apita ou não apita quando estamos errados? rs

O Espírito Santo que habita em nós, que também é chamado de “O Espírito de Deus”, “O Espírito de Cristo”, “O Espírito de Jesus” tem muitas outras características, além de nos guiar. Podemos provar biblicamente que o Espírito Santo é inteligente, tem emoçoes de acordo com Efésios 4.30, tem vontades, como vimos em Atos 16.6, nos ensina de acordo com João 14.26, dá ordem aos homens de acordo com Atos 8.29, intercede de acordo com Romanos 8.26 e por ai vai. Até agora eu disse sobre a personalidade do Espírito Santo. Existem os atributos divinos que são a Onisciência (1 Coríntios 2.10,11), a Onipresença (Sl 139.7), a Verdade (1 Jo 5.6), a Santidade (Lc 11.9-13), a Vida (Rm 8.2) e a Sabedoria (Is 40.13).

Vemos a Criaçao (Genesis 1.2), a Inspiração (2 Pe 1.21), o convencimento ao homem (Joáo 16.8), a regeneração do homem (João 3.5-6). Vemos também um mesmo Espírito Santo que nos consola, de acordo com João 14.16.

E ainda por cima habita em nós! Rm 8.9 e I Co 6.19. Além de habitar em nós, o Espírito Santo nos ajuda, nos unge, nos vivifica, nos santifica e ainda distribuiu dons que são os de profecia, diversidade de línguas, interpretação de línguas, fé, dons de curar, operação de milagres e outros! E o resultado disso tudo são os frutos do Espírito que são amor, alegria, paz, longanimidade, benignidade, bondade, fé, mansidão e temperança. Gl 5.22-25

Espírito Santo, o meu GPS!

Gabriel Félix – Belo Horizonte -MG

www.gabrielfelix.wordpress.com

Enéas Tognini inicia o 3º dia da Conferência Profética

 

A ministração da tarde de ontem, dia 03 de dezembro, ficou por conta de Enéas Tognini (Igreja Batista do Povo), precursor do movimento pentecostal nas igrejas Batistas.

 

 

tognini

 

Tognini tem 94 anos, mas como ele próprio disse: “ainda sou um jovem pregador do Evangelho”. Lúcido e bem humorado, ele viaja bastante, mas não cansou de pregar e ainda sente muito prazer em pregar o Evangelho.

 

Ele já iniciou a ministração dizendo que somente nós podemos impedir o agir do Espírito Santo em nossa vida. “Você está cheio do Espírito Santo?”, questionou o pastor.

 

Como nas ministrações dos preletores anteriores, ele fez questão de falar da importância da fé.

 

 

tognini2

 

Tognini falou ainda do trabalho na obra de Jesus Cristo. As nações estão clamando por salvação, pela manifestação dos filhos de Deus, assim como Noé, Moisés e Isaías aceitaram os seus chamados e se posicionaram, nós devemos fazer o mesmo se quisermos viver o verdadeiro evangelho.

 

Para trabalhar na obra de Deus é necessário entregarmos tudo o que Ele nos pedir. Não tem  como fazer a obra, sem entrega e sem sacrifício.

 

Ele finalizou orando por todos aqueles que estavam se dispondo a ir a campo e fazer a vontade de Deus. Uma lição de vida de um jovem de 94 anos. 

 

Fonte: Igreja Evangélica Bola de Neve  

estrela

A estrela que guiou os magos do oriente até Jesus é um símbolo do Espírito Santo, uma espécie de metáfora do que o Espírito Santo faz hoje: convence o mundo do pecado, da justiça e do juízo, guia a toda a verdade, traz à memória das gentes todas as coisas que Jesus ensinou (João 16.7-15). Desde os primeiros acordes da maravilhosa sinfonia que foi a vida terrena de Jesus, o Espírito Santo brilhou sobre ele. Jesus foi concebido pelo Espírito Santo: “Descerá sobre ti o Espírito Santo e a virtude do Altíssimo te cobrirá com a sua sombra; por isso também o Santo, que de ti há de nascer, será chamado Filho de Deus”, foram as palavras do anjo a Maria (Lucas 1.35).

Jesus foi batizado com o Espírito Santo, isto é, foi identificado publicamente como amado Filho de Deus: “E o Espírito Santo desceu sobre ele em forma corpórea, como pomba; e ouviu-se uma voz do céu, que dizia: Tu és o meu Filho amado, em ti me comprazo” (Lucas 3.22). Jesus foi animado pelo Espírito Santo, vivia cheio do Espírito, o que significa que estava sob a ininterrupta influência do Espírito Santo: “E Jesus, cheio do Espírito Santo, voltou do Jordão” (Lucas 4.1).

Jesus foi guiado pelo Espírito Santo, pois, submisso à sua direção, obedecia seus comandos e impulsos: Jesus “foi levado pelo Espírito ao deserto” (Lucas 4.1). Mais do que isso, Jesus foi ungido pelo Espírito Santo, recebeu autoridade e poder para fazer a vontade de Deus, o Pai: “O Espírito do Senhor é sobre mim, pois que me ungiu para evangelizar os pobres. Enviou-me a curar os quebrantados do coração, a pregar liberdade aos cativos e restauração da vista aos cegos, a pôr em liberdade os oprimidos, a anunciar o ano aceitável do Senhor” (Lucas 4.18,19). Jesus foi também visitado pelo Espírito Santo, que, de quando em vez, adensava sua presença ao seu redor, gerando estados de espírito e consciência diferenciados: “Naquela mesma hora se alegrou Jesus no Espírito Santo e disse: Graças te dou, ó Pai, Senhor do céu e da terra, que escondeste estas coisas aos sábios e inteligentes e as revelaste às criancinhas; assim é, ó Pai, porque assim te aprouve” (Lucas 10.21).

O que o Espírito Santo fez em Jesus foi também uma promessa do que pode e pretende fazer com toda pessoa humana: conceber, batizar, animar, guiar, ungir e visitar. Estar em Cristo significa nascer de novo, do Espírito (João 3.5-8), ser batizado ou mergulhado no Espírito (1Coríntios 12.12,13) e passar a viver animado pelo Espírito, sob sua influência, o que possibilita a experiência da qualidade de vida chamada Fruto do Espírito (Gálatas 5.22,23). Estar em Cristo implica ser guiado pelo Espírito Santo: pois todos os filhos de Deus são guiados pelo Espírito Santo (Romanos 8.14), recebem a unção do Espírito para cumprir os propósitos e fazer a vontade de Deus (Atos 1.8) e vivem sob a constante ministração do Espírito Santo (Atos 4.31; 7.55; 13.9,10).

Que a estrela te oriente é um convite e uma convocação para que você também se entregue às mãos do Espírito Santo, que deseja lhe dar nova vida, nova identidade, novo poder para viver, novo senso de direção, novo propósito e novas experiências com Deus. O Espírito Santo é o Deus que habita em nós. Não desperdice o divino companheiro.

Pr. Ed René Kivitz – Igreja Batista de Água Branca (SP)

Esse texto te abençoou? Falou de alguma forma ao seu coração? Não deixe de fazer o seu comentário sobre o assunto.